2 SINAIS DE ALERTA mexem no preço do milho


Imagem: Pixabay


O fim iminente do La Niña oferece esperança, mas é tudo especulação.

Os preços do milho só fazem cair no mercado internacional, após meses de super valorização e com a chegada da nova safra brasileira. No entanto, dois fatores estão no radar e devem ser monitorados, pois possuem alto potencial de modificar as cotações nos próximos dias.

{module Form RD}

O primeiro fator, mais próximo ao Brasil, é a prolongada estiagem na Argentina, que atrasou a semeadura do milho 2022/2023 e gerou incerteza sobre o volume da produção futura. De acordo com a Consultoria AgResource, o clima argentino e o potencial de expansão da seca se tornam “uma história potencial para a determinação do preço do milho se a seca persistir em janeiro”.

“O principal problema nesta temporada é que a Argentina não tem umidade no subsolo nem estoques de milho para extrair e, portanto, os rebaixamentos da produção têm um impacto de um para um no potencial de exportação. O fim iminente do La Niña oferece esperança, mas além do final de dezembro e início de janeiro o mercado não poderá mais especular sobre as condições climáticas futuras”, afirmam os analistas de mercado.

A AgResource espera que a safra de milho da Argentina seja de “60% a 65% plantada em 31 de dezembro, e o clima começa a determinar o potencial da safra imediatamente depois disso. A previsão de 10 dias é seca. Melhores chances de chuva são previstas no período de 11 a 15 dias, mas a confiança em detalhes de alcance estendido é baixa”.

FATOR UCRÂNIA

A segunda incógnita vem da incerteza sobre o potencial da Ucrânia de despejar mais milho no mercado. De acordo com a Consultoria TF Agroeconômica, a UkrAgroConsult revisou a safra de milho para 26,5 milhões de toneladas. Por sua vez, o Centro de Coordenação Conjunta informou que os embarques ucranianos nos portos do Mar Negro caíram cerca de 21% na semana de 11 de Dezembro, mesmo com a continuidade do “Corredor Humanitário”. Desde o acordo negociado em julho, a Ucrânia embarcou 13,6 milhões de toneladas de grãos pelos portos.

Fonte: Leonardo Gottems | Agrolink 

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.