A importância dos emulsificantes na indústria alimentícia



Imagem: Adobe Stock


A lecitina, obtida a partir da soja, é o exemplo típico de emulsificante natural. A sua utilização em alimentos não deve ultrapassar o valor de 1,0% sobre o teor de gordura, pois o uso em excesso confere sabor desagradável ao produto final. Em relação ao uso de emulsificantes em biscoitos, diversas pesquisas foram efetuadas e demonstrou-se que é possível reduzir o teor de gordura total de uma formulação em 15 a 20% através do uso de 0,75% de um emulsificante. As características de complexação desses compostos com o amido e proteína são as responsáveis por melhorias na laminação da massa, textura e expansão do biscoito.

Os emulsificantes são classificados de acordo com a distribuição de suas fases. Os emulsificantes possuem um grupo terminal polar que age mutuamente com as moléculas de água e um grupo hidrofóbico que interage com a fase lipídica.

A porção hidrofóbica da molécula é geralmente uma cadeia alquila longa, enquanto a hidrofílica consiste em um grupo dissociável ou grupos hidroxilados. Além de reduzirem a tensão superficial como agentes estabilizantes para emulsão, espuma e suspensão, os emulsificantes são importantes modificadores da textura, resultando em modificações das propriedades físicas do alimento. As emulsões são importantes pela sua freqüência em alimentos de grande consumo.

A formação e estabilização de emulsões de substâncias não miscíveis entre si permitem a obtenção de produtos estáveis cuja homogeneização facilita o processo industrial e os aspectos sensoriais dos alimentos. Um exemplo típico é a dispersão das gorduras na massa formada em meio aquoso.

Quando adicionamos emulsificante a uma emulsão alimentícia contendo água e óleo é formado na interface dos dois componentes um filme pelas moléculas do emulsificante orientadas de acordo com a sua polaridade. Este filme irá reduzir a tensão interfacial entre os líquidos.

Desta forma os líquidos imiscíveis poderão ser dispersos um no outro, através da agitação e formação de micelas.

Os alimentos (industrializados ou não) necessitam de emulsificantes, visto que, além da água, contêm três outros componentes principais: proteína, carboidrato e gordura. Todos os organismos vivos possuem seu próprio sistema emulsificante. Alguns são extraídos (naturais) para uso em alimentos industrializados, outros imitam o emulsificante natural.

  Por: João Victor de Lima

Facebook
Twitter
LinkedIn

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários. *Estamos de férias coletivas e voltaremos às atividades dia 04/01/2024. Boas festas!

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.