A Polônia encerra o fornecimento de armas para a Ucrânia por causa da atual disputa por grãos

A Polônia encerra o fornecimento de armas para a Ucrânia por causa da atual disputa por grãos
Imagem: Pixabay

O primeiro-ministro da Polônia anunciou que o país parou de fornecer armas para a Ucrânia à medida que a disputa em curso sobre as importações de grãos aumenta, informou o The Guardian.

A Polônia é um dos principais fornecedores de armas para Kiev. Desde o início do conflito com a Rússia em fevereiro de 2022, eles têm apoiado a causa ucraniana. No entanto, as tensões recentemente aumentaram devido a uma crescente disputa sobre as importações de grãos ucranianos, de acordo com um relatório datado de 21 de setembro.

Tensão Polônia-Ucrânia: Disputa por grãos e reações internacionais elevam preocupações

Em 20 de setembro, o primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki anunciou, certamente, a priorização da defesa do país. Isso ocorreu, entretanto, após o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, acusar a Polônia, além disso, de favorecer a Rússia ao proibir importações de grãos ucranianos.

Assim sendo, a tensão entre os dois países aumentou consideravelmente. No entanto, a Polônia alegou que essa medida foi tomada em virtude de preocupações com a qualidade dos grãos ucranianos. Portanto, essa controvérsia, semelhantemente a outros conflitos na região, tem causado preocupações internacionais.

Não apenas a Ucrânia, mas também outros países têm expressado, enfim, preocupações com a escalada das tensões. Portanto, é provável que a situação continue a ser acompanhada de perto pela comunidade internacional.

Já que estamos diante de um cenário delicado, é importante que os líderes regionais encontrem maneiras de resolver suas diferenças. Por conseguinte, a diplomacia desempenhará um papel fundamental na busca por uma solução pacífica para esse impasse.

“Não estamos mais transferindo armas para a Ucrânia porque agora estamos armando a Polônia com armas mais modernas”, disse Morawiecki.

No dia seguinte, o porta-voz do governo de Varsóvia, Piotr Müller, esclareceu a declaração, dizendo que a Polônia estava “apenas realizando suprimentos de munição e armamentos previamente acordados”.

Disputa de grãos na Europa Oriental: Restrições de importação da Ucrânia afetam relações comerciais na região

Além disso, o The Guardian relatou que a Polônia transferiu ajuda militar à Ucrânia nos primeiros meses da guerra. A Polônia também usou seu território como centro de trânsito e reparo para suprimentos de armas de outros países.

No entanto, o anúncio foi, em grande parte, retórico. Como resultado das ações da Polônia, a situação se desdobrou de maneira imprevista. A disputa sobre os grãos surgiu após a invasão russa fechar as rotas de navegação do Mar Negro.

Isso levou ao desvio de alguns grãos ucranianos por terra através da Europa. Em maio, a UE tomou medidas para restringir importações em países como Bulgária, Hungria, Polônia, Romênia e Eslováquia. O objetivo era proteger agricultores locais, alegando que as importações ucranianas afetavam os preços.

A Comissão Europeia encerrou a proibição de importação em 15 de setembro, citando a dissipação das “distorções de mercado”. No entanto, Polônia, Eslováquia e Hungria impuseram restrições próprias às importações da Ucrânia. Segundo a Reuters em 19 de setembro, esses governos adotaram medidas para proteger os agricultores ucranianos devido ao aumento nas importações de grãos e alimentos após a invasão russa no ano passado.

A Ucrânia apresentou uma queixa à Organização Mundial do Comércio (OMC) devido à disputa comercial, conforme informado em um relatório.

Em resposta, o governo búlgaro proibiu a importação de sementes de girassol ucranianas após prolongadas negociações com agricultores locais, conforme fontes comerciais relataram ao AgriCensus.

Essa decisão de bloquear as importações aconteceu durante uma greve dos agricultores búlgaros. Ela ocorreu após o governo ter suspendido temporariamente a proibição de importação de grãos e sementes oleaginosas ucranianas, conforme relatado no documento de 20 de setembro.

Um corretor baseado na Bulgária disse: “Nosso primeiro-ministro declarou que a Bulgária não importará sementes de girassol da Ucrânia, especialmente até que estabeleçamos algum tipo de sistema trimestral ou de licenciamento entre a Bulgária e a Ucrânia”.

Segundo o relatório, as condições quentes e secas reduziram as perspectivas de produção da Bulgária, levando as esmagadoras do país a pedirem repetidamente ajuda para garantir o fornecimento dos girassóis ucranianos, apesar do fato de que a Bulgária precisa deles.

Transporte de grãos ucranianos: Navios rumo à China e outros destinos enfrentam desafios e corredor temporário

De acordo com estimativas de setembro, empresas búlgaras previram a colheita de girassol em 2022/23 entre 1,7 e 1,8 milhão de toneladas. Isso representa uma queda de 17% em relação às expectativas de agosto.

Enquanto isso, mais três navios comerciais se dirigiam aos portos ucranianos do Mar Negro. O AgriCensus divulgou que Oleksandr Kubrakov, Ministro do Desenvolvimento Comunitário, Territórios e Infraestrutura da Ucrânia, relatou que eles estavam prontos para carregar os produtos agrícolas e minério de ferro.

Em 15 de setembro, Kubrakov divulgou uma nota. Nela, mencionou que três navios graneleiros se dirigiam a Chornomorsk e Pivdennyi. Eles usavam um corredor temporário criado pelas autoridades ucranianas.

Depois de carregar mais de 127.000 toneladas de produtos agrícolas e minério de ferro, os navios seguiriam para a China, Egito e Espanha, segundo a nota.

A Marinha das Forças Armadas da Ucrânia estabeleceu um corredor temporário e as embarcações Resilient Africa e Aroyat usaram-no com sucesso, sendo carregadas com sucesso no porto de Chornomorsk e despachadas no início da mesma semana, de acordo com o relatório de 22 de setembro.

Esses navios estavam transportando mais de 20.000 toneladas de grãos, escreveu o AgriCensus.

Fonte: Oils & Fats International

Facebook
Twitter
LinkedIn

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários. *Estamos de férias coletivas e voltaremos às atividades dia 04/01/2024. Boas festas!

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.