#AboissaEverywhere: POC 2024

Aboissa Everywhere POC 2024
Imagem: Canva

A indústria do óleo de palma, componente vital na produção de uma ampla gama de produtos de consumo e biocombustíveis, enfrenta desafios e oportunidades contínuas que moldam seu futuro. A Palm & Lauric Oils Price Outlook Conference & Exhibition (POC) emerge como o principal evento global em que líderes da indústria, especialistas e partes interessadas se congregam para discutir tópicos essenciais, abrangendo desde tendências de mercado e inovações tecnológicas até estratégias de sustentabilidade. Nossos especialistas, Tiago Vicente e Thiago Prianti, viajaram até Kuala Lumpur, na Malásia, para participar da mais significativa conferência de óleo de palma do mundo e trazem os principais temas debatidos ao longo dos dias do evento.

Em 2023, iniciaram-se conversas sobre o fenômeno El Niño, e o mercado já previa que 2024 não seria diferente. Portanto, discutiram no POC a produção mundial de óleos vegetais.

A estimativa dos principais especialistas indica um aumento muito pequeno na produção global no período de 23 de outubro de 2023 a 24 de setembro deste ano, em comparação com o mesmo período do ano anterior. Esse aumento é impulsionado principalmente pelo crescimento nas culturas de canola e girassol, que não sofreram impactos negativos devido ao El Niño. Analisando o óleo de palma, os especialistas preveem uma produção estável na Indonésia, uma queda na Malásia e na Tailândia, e um pequeno aumento na produção africana e latino-americana.

Demanda por biodiesel impulsiona consumo de palma

Por outro lado, observam um crescimento no consumo mundial, principalmente devido à demanda por biodiesel na Indonésia e na Malásia, o que resultará em uma redução nos estoques mundiais de palma e menos exportações. Quando analisada a oferta e demanda mundial de óleos vegetais e a situação dos estoques, acreditam em um aumento da demanda superior à oferta global e em uma redução dos estoques, sendo março, abril e maio os piores meses. Após esse período, devemos fazer leves ajustes, a menos que surpresas surjam de condições climáticas, políticas de biocombustíveis e situações macroeconômicas.

Exclusivamente no mercado de biocombustíveis, houve muitos comentários positivos em relação ao atual B35 e à prontidão das indústrias indonésias para o B40. Caso o governo avance com esse aumento, ocorrerá uma redução significativa nas exportações de óleo de palma.

A expectativa média dos principais analistas é que os futuros de palma oscilem entre 3800 e 4200RM durante a primeira metade do ano.

Desafios e oportunidades na produção de óleo de palma

Um tópico amplamente discutido foi a redução da produtividade da palma, um movimento observado há anos. Também foi discutido a falta de tecnologia implementada na indústria em comparação com outras indústrias de oleaginosas. Existem desafios significativos, pois a palma é uma cultura altamente manual, com práticas de manejo distintas das demais. Nos últimos anos, o óleo de palma vem perdendo dinamismo de crescimento, embora continue sendo a principal oleaginosa que atende à demanda mundial. No entanto, sua posição competitiva vem se deteriorando, e fatores tecnológicos e inovações serão cruciais para o futuro. É essencial que todos repensem como produzem e transformem esses desafios em oportunidades. A palma continua sendo a oleaginosa mais versátil e sustentável, quando analisada a produção por hectare.

Quanto à sustentabilidade, destaca-se o EUDR, regulamento europeu sobre produtos sem desmatamento. Seu prazo para conformidade é o final de 2024, pois entrará em vigor em 30 de dezembro deste ano. O EUDR visa combater o desmatamento e promover práticas sustentáveis nas cadeias de suprimentos. Operadores e comerciantes deverão realizar uma avaliação detalhada dos processos de produção para identificar possíveis riscos associados ao desmatamento ou degradação florestal em qualquer etapa, desde a obtenção das matérias-primas até a entrega final. Esse mapeamento é essencial para que as empresas demonstrem conformidade com as novas normas.

Caso sejam identificados problemas, deverão ser implementados planos de mitigação. A não conformidade pode resultar em penalidades de até 4% do faturamento anual da empresa infratora. Portanto, compradores mundiais estão pressionando seus fornecedores quanto a esse tema. Analisando a cadeia mundial, o volume que poderá atender a essas políticas ainda é muito pequeno, o que pode gerar mudanças nos fluxos comerciais globais.

Para acompanhar nossos roteiros de feiras e eventos, nos siga no Instagram.

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.