Acompanhamento é fundamental em safra de El Niño

Acompanhamento é fundamental em safra de El Niño
Imagem: Pixabay

A área plantada atingirá um recorde de 45,62 milhões de hectares. Isso representa um aumento de 2,5% em relação ao ano anterior. Além disso, a previsão inicial de safra é de 163,25 milhões de toneladas, um incremento de 4,5% em relação à safra anterior. Portanto, o El Niño afetará o clima. Ele alterará padrões de chuvas e aumentará as temperaturas. Espera-se que persista até outubro do próximo ano, causando instabilidade climática.

Até o início deste ano, o Brasil estava sob o efeito do La Niña. Isso resultou em mais veranicos na região Sul. Além disso, houve um aumento nas chuvas nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. Contudo, com o El Niño, o padrão de chuvas se modifica. A temperatura se eleva, como está ocorrendo em 2023 no Brasil. Não houve um inverno com temperaturas muito baixas, nem geadas, como nos anos anteriores. Isso é o que analisa João Vitor Gomes Pasquetto, engenheiro agrônomo de Desenvolvimento de Mercado da Stoller.

Tecnologia e aconselhamento técnico: A abordagem da Stoller para o cultivo de soja durante o El Niño

A Stoller do Brasil, uma empresa Corteva Agriscience, destaca seu compromisso em estabelecer laços estreitos com os agricultores por meio de consultoria. Além disso, eles enfatizam como essa abordagem está mudando a dinâmica entre a indústria e os agricultores. A empresa desenvolveu três conceitos-chave para enfrentar os desafios da produção de soja: “Comece Bem” foca na fase inicial da cultura, “Soja Forte” maximiza a produtividade e resistência das plantas, e “Nutra&Defenda” nutre as plantas e aumenta sua resistência a doenças. Isso ajuda os agricultores a melhorar a rentabilidade de suas lavouras.

“Estamos muito focados no acompanhamento técnico junto ao produtor. Por conseguinte, na região Sul, as lavouras poderão estar mais suscetíveis a doenças devido ao ambiente favorável e também pela possível falta de tempo em fazer as aplicações no momento correto. Com excesso hídrico, o produtor não consegue entrar na lavoura. Os agricultores que usam avião têm uma vantagem operacional no manejo sobre àqueles que têm apenas pulverizadores terrestres e passam dias esperando drenar a água para poder entrar na lavoura”, analisa.

Fonte: Leonardo Gottems | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.