Agricultores da Ucrânia temem o pior após colapso do acordo de grãos



Imagem: Adobe Stock


Agricultores cujo trabalho nas terras férteis da Ucrânia é vital para a economia do país temem perder seus meios de subsistência depois que a Rússia abandonou nesta semana um acordo de guerra que permitia a exportação segura de grãos no Mar Negro. Para Kees Huizinga, que se mudou da Holanda para uma fazenda na Ucrânia central em 2003, a recusa de Moscou em estender o acordo faz com que suas finanças, já apertadas pela invasão russa no ano passado, pareçam catastróficas. “Temos algumas reservas para que possamos sobreviver por mais ou menos um mês, mas se não conseguirmos vender será um desastre”, disse ele à Reuters em sua fazenda de 15.000 hectares em um vilarejo nas colinas e planícies verdes. da região de Cherkasy, na Ucrânia central.

A Ucrânia é um grande exportador de grãos e óleo de girassol, inclusive para países do Oriente Médio e da África. O acordo negociado pelas Nações Unidas e pela Turquia em julho de 2022 foi projetado para permitir que a Ucrânia exporte grãos através do Mar Negro, apesar do bloqueio russo, e para combater uma crise alimentar global.

{module Form RD}

As exportações agrícolas são cruciais para a economia da Ucrânia, representando cerca de 12% do produto interno bruto antes da invasão da Rússia em fevereiro de 2022 e cerca de 60% de todas as exportações. Das 60.000 toneladas de produtos cultivados nas terras de Huizinga no ano passado, 50.000 toneladas foram enviadas para o exterior por meio do negócio de grãos.

No total, a Ucrânia conseguiu exportar 33 milhões de toneladas de produtos agrícolas por meio do acordo. Huizinga disse que exportar o mesmo volume de sua produção não será possível sem a iniciativa do Mar Negro que, de acordo com uma associação industrial, foi usada para até 90% das exportações agrícolas da Ucrânia antes da guerra.

O holandês, que cultiva sete grandes safras, incluindo trigo e girassol, estima que a interrupção relacionada à guerra custou a seus negócios entre US$ 3 e US$ 6 milhões em 2022 e pode custar outros US$ 6 milhões este ano. Ele disse que estava recebendo cerca de US$ 100 a tonelada por sua cevada, metade do preço que os agricultores da Europa Ocidental receberiam, e que seus custos de transporte aumentaram drasticamente.

ENCERRAMENTOS TEMIDOS

Huizinga, que veio da fazenda de sua família perto da cidade holandesa de Groningen para a Ucrânia, já foi forçado a contrair empréstimos para cobrir suas despesas. “Alguns agricultores que têm mais reservas durarão mais tempo, e os agricultores que têm menos reservas provavelmente terão que vender ou fechar o negócio, ou dá-lo a outra pessoa”, disse ele.

A principal rota restante para a produção agrícola da Ucrânia é o rio Danúbio, que corre ao longo da fronteira sudoeste da Ucrânia com a Romênia.

Alguns dos vizinhos ocidentais da Ucrânia restringiram as importações de grãos ucranianos sob pressão de seus agricultores, que disseram estar sofrendo com a concorrência adicional. Denys Marchuk, vice-chefe do Conselho Agrário Ucraniano, a maior organização de agronegócio do país, estimou que os portos ucranianos do Danúbio podem transportar até 3 milhões de toneladas por mês, nem de longe o suficiente para cobrir seu potencial de exportação.

A Ucrânia espera colher 44 milhões de toneladas de grãos este ano, abaixo da safra recorde de 86 milhões de toneladas em 2021. Um dos trabalhadores agrícolas de Huizinga, Yuriy, levou recentemente uma nova safra de cevada para armazenamento em Izmail, uma cidade do sul onde fica um dos portos fluviais.

Ele disse que os operadores de armazenamento ficaram surpresos ao ver a cevada de 2023 chegando, pois ainda tinham um grande estoque da safra do ano passado que ainda não havia sido embarcado.

Tanto Marchuk quanto Huizinga acreditam que os embarques de grãos devem continuar pelo Mar Negro, mesmo sem a participação da Rússia no negócio. A ONU disse que ideias estão sendo lançadas para tentar ajudar a levar os grãos ucranianos aos mercados globais. “Acho que eles (Rússia) estão blefando, jogando pôquer em alto nível e tentando influenciar os líderes ocidentais de alguma forma, e não devemos deixar isso acontecer”, disse Huizinga.

Fonte: Agrolink

{module Leia Também}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.