Agricultura notifica produtores rurais que descumprem vazio sanitário do feijão

Em 10 dias de vigência do vazio sanitário do feijão, sete produtores rurais do Distrito Federal já foram notificados por desrespeitarem o período de quarentena.

Até 20 de outubro, o território não pode ter plantas vivas da cultura, como forma de romper com o ciclo de vida do vírus causador do mosaico-dourado, o Bean gold mosaic virus (BGMV). A doença provoca amarelecimento e deformação das folhas e danos aos grãos e é transmitida por meio da mosca-branca.

Equipes da Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural intensificaram a fiscalização das unidades produtoras em todo o DF. Os técnicos percorrerão cerca de 3 mil hectares, em 40 propriedades.

Uma das alegações dos produtores rurais para a manutenção de pés de feijão seria o frio mais intenso neste ano. Segundo eles, as temperaturas mais baixas teriam prolongado o ciclo de desenvolvimento da espécie.

Esse argumento, no entanto, não é suficiente para evitar a notificação e a obrigatoriedade de destruição das plantas vivas, de acordo com a fiscal agropecuária da pasta da Agricultura, Carina Ichida.

“Vamos analisar os dados climatológicos oficiais para verificar se houve um frio fora do esperado. Se tiver ocorrido, isso será considerado no recurso”, conta.

A fiscal reforça, no entanto, que o cumprimento da medida é obrigatório e foi amplamente divulgado entre os agricultores. Isso porque a escolha da variedade do grão deve considerar também o período do vazio sanitário.

 

“Quem planejou o plantio com antecedência e escolheu o feijão de ciclo mais curto [em torno de 75 dias] não teve problema”, destaca. O feijão de ciclo normal leva cerca de 90 dias entre o plantio e a colheita.

Este foi o ano em que a pasta mais registrou notificações por desrespeito à quarentena. “Superou até mesmo as do vazio da soja”, compara o fiscal agropecuário Adailton Guimarães.

Quem descumprir a suspensão de cultivo está sujeito a multa de R$ 15 mil a R$ 50 mil e fica obrigado a destruir os pés de feijão. A erradicação temporária pode ocorrer de forma química, por meio da aplicação de herbicidas, ou mecânica, com o uso de maquinário para remexer o solo.

 

 

O vazio sanitário do feijão passou a ser implementado no DF em 2013, a partir de uma demanda dos produtores rurais para controle do mosaico-dourado. “As lavouras do cultivo eram bastante afetadas pela doença. Desde que aderimos ao vazio, a contaminação diminuiu”, explica Carina.

 

 

Em caso de suspeita de descumprimento do vazio sanitário, deve-se alertar a pasta da Agricultura. Denúncias podem ser feitas pelo telefone (61) 3051-6422 ou por meio do endereço eletrônico http://www.agricultura.df.gov.br/.

Edição: Paula Oliveira

Fonte: Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.