Agronegócio brasileiro poderá ser beneficiado pelo Brexit, diz especialista

A Comissão de Relações Exteriores (CRE) fez nesta quinta-feira (23) uma audiência pública com o diretor do King’s Brazil Institute, o cientista político inglês Anthony Pereira, informa a “Agência Senado”. O King’s Brazil Institute atua no âmbito do tradicional King’s College de Londres, efetua pesquisas sobre o Brasil e também promove a integração com pesquisadores e estudantes do nosso país.

Pereira destacou que o Reino Unido passa agora por um momento de muita importância em sua política interna. Isso porque iniciou-se nesta quinta-feira o processo de votação para o Parlamento Europeu, em que eleitores britânicos e de outras 27 nações que fazem parte da União Europeia (UE) escolherão até domingo 751 deputados, com bancadas representativas que levam em conta, entre outros critérios, o tamanho da população de cada país.

Pereira espera que especificamente o resultado desse processo no Reino Unido possa aclarar um novo cenário de consenso para o país, após o difícil processo de negociação visando à saída da UE. Decidida após plebiscito em 2016, a saída do Reino Unido da UE foi popularizada com o nome de Brexit.

Brasil pode ganhar

Para Pereira, o Brasil pode ser beneficiado pelo Brexit. Isso pode acontecer pelo aumento da exportação de produtos agrícolas para o Reino Unido e pela assinatura de um acordo comercial com o Mercosul.

“É muito possível que as relações comerciais do Reino Unido necessitarão de mudanças após a saída da UE. Só para ficar num exemplo, hoje uma porcentagem alta de produtos alimentícios importados pelo país são provenientes da Europa continental. Mas essas cotas de importação não são necessariamente fixas. Esse mercado britânico pode ser aberto para produtores brasileiros, que são muito eficientes na agricultura. É uma janela de oportunidades que pode se abrir. A Grã-Bretanha historicamente não é adepta à adoção de barreiras agrícolas numa dimensão como a que marca alguns de seus parceiros na UE. Somos mais liberais”, disse.

Pereira também não descarta que o Brexit possa fazer com que avancem negociações para que o Reino Unido e o Mercosul fechem um acordo comercial.

“Lembro que em 2016 o diplomata Roberto Jaguaribe, quando era presidente da Apex [Agência Brasileira de Promoção de Exportações] e participava de um evento em Londres, reclamou que as negociações da UE com o Mercosul já se arrastavam havia quase 20 anos. E sugeriu um acordo entre Reino Unido e Mercosul, em que as negociações seriam significativamente mais fáceis. Penso que as barreiras neste caso seriam muito menores. Não duvido que um acordo UE-Mercosul acabe jamais saindo do papel”, explicou.

Postagem | Marina Carvejani 
Autor |  DATAGRO
Fonte | DATAGRO

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.