Albaugh Brasil quer atingir 25% do faturamento mundial do Grupo

O presidente da Albaugh Brasil, Renato Seraphim, tem uma meta ousada para a divisão: atingir nada menos que 25% do faturamento mundial do Grupo até 2020. A Albaugh está no Brasil desde 2005 com a marca Atanor, e após adquirir a Consagro (em 2015), no mês de agosto do ano passado anunciou a alteração do nome para alinhamento com a sede mundial.

“O Mercado Brasileiro de proteção de cultivos é o maior do mundo, e a Albaugh Brasil representa hoje 12% do faturamento do grupo, e em 2015 representou apenas 7%. Por ser o maior mercado do mundo, estamos confiantes que em 4 anos estaremos representando ¼ das vendas do grupo”, afirmou o executivo em entrevista ao Portal Global Agrochemicals na qual revela os desafios da Albaugh no Brasil.

Seraphim afirma que a fusão Atanor e Consagro foi um dos maiores casos de merger no mercado agro, pois houve crescimento de 53% em um mercado que declinou 1%: “saímos de 0,9% de share para 1,5%. Além de reforçar o time com vários profissionais experientes e cobiçados pelo mercado que acreditaram que podíamos construir uma empresa com foco no agricultor”.

A Albaugh Brasil produz cerca de 30 produtos entre Herbicidas, Fungicidas e Inseticidas, com investimentos anunciados de R$ 300 milhões em 2016 para a produção de cobre, glifosato e 2,4-D. “O nosso objetivo no Brasil é voltar a produzir esses diferentes tipos de formulação. Para 2018 o nosso foco é ter formulações WP e CS”, adianta ele. 

“Teremos, para os próximos 5 anos, mais de 20 lançamentos, com produtos trazidos da China e formulados por parceiros locais e também produzido dentro de Resende/RJ [fábrica própria]. Queremos ser uma empresa com foco em produtos pós patentes e ser o mais eficiente possível dentro de nossas operações para entregar ao agricultor produtos que possam ajudar ele a aumentar a sua rentabilidade”, justifica Seraphim. 

O presidente da Albaugh Brasil revela preocupação com os patamares de preços praticados neste ano, mas acredita que o mercado de agroquímicos vai crescer novamente em 2017: “Nossas estimativas é que ele retorne para os patamares de US$ 10 bilhões, devido à redução dos estoques de algumas empresas e também devido à recuperação de preços de algumas commodities como açúcar e algodão”.

“Temos o maior mercado de defensivos do mundo, grandes fábricas no Brasil e, se tivéssemos menos burocracia, mais rapidez nas aprovações de produtos e maior competitividade para produzir, poderíamos gerar mais empregos e trazer mais riquezas para o Brasil. O setor Agro é muito competitivo e como produtores e formuladores de agroquímicos poderíamos ajudar e muito o Brasil a também ser competitivo nessa área. […] Não andamos rápido como os nossos maiores competidores mundiais, que são os USA. Se aprendermos a ver o que eles estão fazendo, sermos mais humildes para aprender o que está dando certo em outros lugares do mundo, poderíamos ser muito mais fortes do que somos hoje”, conclui.

Fonte: Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.