Amazônia brasileira detém a energia do futuro, com alto potencial para a produção de combustíveis avançados

Amazônia brasileira detém a energia do futuro, com alto potencial para a produção de combustíveis avançados
Imagem: Pixabay

A Amazônia brasileira detém a energia do futuro. É o que avalia Milton Steagall, CEO do Grupo BBF (Brasil BioFuels), maior produtor de óleo de palma da América Latina. Óleo de palma, ou dendê, pode tornar o Brasil líder em biocombustíveis e ajudar a descarbonizar a Amazônia Legal, segundo empresário.

CEO do Grupo BBF destaca a palma como cultura sustentável, promovendo recuperação do bioma, substituição de materiais fósseis por renováveis e empregabilidade local. “A partir do óleo de palma é possível falar de bioeconomia dentro dos setores elétrico, químico e de biocombustíveis, além do agronegócio. A região tem um verdadeiro pré-sal verde”, afirma.

O Brasil tem o potencial de cultivar a palma de forma totalmente sustentável em cerca de 31 milhões de hectares de áreas degradadas na região amazônica, segundo a Embrapa. A legislação brasileira para o cultivo da palma conta com o Decreto 7.172, estabelecido em 2010 pelo Governo Federal. Esse decreto é considerado o mais rígido do mundo neste setor, pois permite que a palma seja cultivada apenas em áreas que foram desmatadas na região amazônica até dezembro de 2007.

A revolução do óleo de palma e a transformação energética no Brasil

O cultivo de palma no Brasil ocupa cerca de 300 mil hectares, com o Grupo BBF responsável por 75 mil, sem derrubar árvores. Este “pré-sal verde” poderia gerar até 6 mil litros de óleo por hectare, alcançando potencialmente 186 bilhões de litros anuais, superando a produção de petróleo da Petrobras em 2022.

Atualmente, a produção brasileira de óleo de palma é modesta, posicionando o Brasil em décimo entre os maiores produtores. A Indonésia, Malásia e Tailândia lideram a produção global, responsáveis por 87% das cerca de 80 milhões de toneladas produzidas anualmente.

A partir de 2026, o Grupo BBF planeja iniciar o fornecimento de SAF (Combustível Sustentável de Aviação) e Diesel Verde (RD), utilizando como matéria-prima o óleo de palma cultivado na região Amazônica. Contudo, este esforço representa um passo significativo no desenvolvimento de biocombustíveis avançados no país. A primeira biorrefinaria do Brasil do Grupo BBF poderá produzir cerca de 500 milhões de litros anualmente.

O Grupo BBF, atualmente, fornece energia limpa para mais de 140 mil pessoas em áreas remotas da Amazônia, por meio de 25 usinas termelétricas a biocombustíveis. Além disso, com um modelo de negócio integrado, cria aproximadamente 24 mil empregos, apoiando, assim, o desenvolvimento sustentável e econômico do Norte do Brasil.

Fonte: Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.