Área de pomares abandonados cai 70% no parque citrícola de SP e MG

O novo retrato da citricultura feito pelo Fundecitrus por meio da Pesquisa de Estimativa de Safra (PES) 2017 mostrou que o número de pomares abandonados teve uma redução de 70% caindo de 6.511 hectares, identificados no levantamento feito em 2016, para 1.977 em 2017, no parque citrícola de São Paulo e Minas Gerais composto por uma área total de 402.566 hectares pomares de laranja incluindo as principais variedades plantadas.

 

Os 4.534 hectares que deixaram de ser abandonados foram reativados, ou seja, voltaram a compor a área produtiva de laranja. O principal motivo para a reativação dessas áreas, que são um dos principais problemas fitossanitários da citricultura, é a melhora das condições do preço da laranja e a expansão do mercado.

Os pomares abandonados são aqueles sem tratos culturais, controle fitossanitário insatisfatório, elevado grau de infestação de pragas e doenças e mato alto.

 

Essas características indicam que nesses pomares não haverá colheita na atual safra. “Essas áreas representam um grande risco para a citricultura, pois servem de constante fonte de doença e criadouro de pragas, sobretudo do psilídeo Diaphorina citri, transmissor do greening, a pior doença da citricultura. Eles devem ser erradicados porque comprometem os citricultores que estão cuidando de seus pomares e desenvolvendo um controle adequado”, afirma o gerente geral do Fundecitrus, Juliano Ayres. “Os citricultores que implantam um novo pomar atualmente são profissionais e estão cientes da complexidade da atividade e dos riscos fitossanitários existentes. Todavia, vale ressaltar que mesmo diante dos desafios do greening, a citricultura paulista vem se modernizando e incrementando sua eficiência e produtiva”, completa.

 

 

O censo também apontou que a retração do parque citrícola foi menor neste ano, caindo de 28.842 hectares (2016) para 14.307 (2017), uma diferença de 50%. Dos erradicados em 2017, 2.344 hectares foram replantados com laranja essa renovação corresponde a 28% dos 8.476 hectares de pomares formados em 2016.

“A diminuição da erradicação, a renovação de pomares e a recuperação de áreas que estavam mal manejadas ou abandonadas são sinais de que o setor está mais otimista com a laranja, mas a manutenção dos novos plantios em patamares baixos mostra também uma postura cuidadosa dos produtores, uma preocupação em não aumentar excessivamente a oferta diante da demanda em queda nos principais mercados tomadores de suco de laranja”, diz o coordenador da PES, Vinícius Trombin.

Fonte: Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.