Argentina suspende pedidos de licenças de exportação de produtos agrícolas

Argentina suspende pedidos de licenças de exportação de produtos agrícolas
Imagem: Pixabay

O governo argentino suspendeu, até segunda ordem, novos pedidos de licenças de exportação de grãos e sementes oleaginosas, em meio a especulações sobre possíveis medidas econômicas do novo presidente do país, Javier Milei, conforme relatado pelo AgriCensus.

Às 17h, horário local, em 11 de dezembro, implementaram oficialmente a suspensão após um dia de alta nas vendas de milho. Os exportadores, antecipando uma possível desvalorização da moeda local a ser anunciada no relatório de 12 de dezembro, buscaram pagar os impostos de exportação à taxa de câmbio atual de 360 pesos/US$.

As licenças de exportação de milho atingiram 1,7 milhão de toneladas em 11 de dezembro, atingindo o pico de 2 milhões de toneladas em 6 de dezembro, conforme dados do analista Javier Preciado Patiño.

Patiño, ao AgriCensus, esperava que as exportações alcançassem 36-38 milhões de toneladas enquanto a Argentina semeava a safra de milho de 2023/24. A safra total de milho da Argentina deverá ser de 50 milhões de toneladas, de acordo com a Bolsa de Cereais de Buenos Aires (Bage).

Argentina considera modificações nos impostos de exportação para produtos agrícolas

Na época do relatório, as taxas de exportação eram: 33% para soja, 31% para farelo de soja e 12% para óleo de soja, milho e trigo.

Desde a eleição de Milei em 19 de novembro, os pedidos de licenças de exportação (DJVEs) até 11 de dezembro totalizaram 10,2 milhões de toneladas. Principalmente para milho (7,6 milhões de toneladas) e farelo de soja (1,4 milhão de toneladas), segundo o relatório. Isso representou US$ 2,8 bilhões, resultando em US$ 552 milhões em impostos de exportação.

O governo poderia gerar receitas fiscais significativamente maiores ao desvalorizar o peso, conforme observado pelo AgriCensus. Implementaram a suspensão de novos impostos de exportação. Essa medida visa interromper as vendas temporariamente. O objetivo é obter maiores receitas após a retomada das licenças de exportação. Um novo valor seria fixado para o peso.

A maioria das fontes familiarizadas com o assunto esperava que os impostos permanecessem inalterados no curto prazo. No relatório, sugere-se a possibilidade de ajustes nos impostos para o complexo de soja. Além disso, pondera-se a viabilidade de aumentos nas taxas aplicadas às exportações de grãos.

Fonte: Oils & Fats International

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.