Bancada articula para derrubar vetos à lei de pesticidas

Bancada articula para derrubar vetos à lei de pesticidas
Imagem: Pixabay

O Congresso Nacional aprovou, em novembro de 2023, o projeto de lei que propõe a criação de um novo marco legal para a produção, registro, comercialização, transporte, inspeção, fiscalização e uso de defensivos agrícolas no país, após mais de duas décadas de tramitação. No entanto, em dezembro o Presidente da República sancionou a proposta (lei 14.785/2023) com vários vetos.

O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado Pedro Lupion (PP-PR), destacou que o Presidente da República demonstrou, mais uma vez, desrespeito com o parlamento. “O tema tramitou por mais de 20 anos e teve aprovação quase unânime no Senado e o Presidente vetou os principais trechos. Portanto, temos uma batalha árdua para fazer funcionar esse sistema que quer modernizar, desburocratizar e fazer com que tenhamos acesso a moléculas mais modernas e produtos melhores para o agro brasileiro.”

Lupion enfatizou a demora na liberação de novas moléculas, destacando um ponto crucial. “Podemos fazer nossos produtores acessarem os produtos que a Argentina, Estados Unidos e União Europeia já usam, que aqui são atrasados pela burocracia, fazendo-nos esperar quatro, cinco ou até dez anos para sua aprovação. Aliás, é uma modernização do sistema. Vamos derrubar esses vetos, temos condições de fazer isso,” afirmou ele.

Reforma na lei e regulação de agrotóxicos no Brasil: Entre vetos e polêmicas

Alguns vetos estão ligados à concentração da análise no Ministério da Agricultura e a liberação de produtos em reanálise. O deputado Luiz Nishimori (PSD-PR) explicou que a centralização de registros neste órgão é para organizar e evitar três filas diferentes. “A centralização teria o único propósito de organizar a fila de prioridade, como acontece em todo o mundo. As competências técnicas da Anvisa e do Ibama manterão sua eficácia.”

Entretanto, os outros vetos relacionam-se com as embalagens de agrotóxicos, exigindo que estas contenham o nome da companhia e a advertência contra o reaproveitamento, além de tratar sobre a unificação das taxas de registro.

“Nossa proposta visa ajustar nossa legislação atrasada, que não seguia os padrões internacionais de análise de risco. Estamos lutando para diminuir a burocracia existente que gera taxas e custos desnecessários. Os vetos não se sustentam e vamos trabalhar pela derrubada,” afirmou Nishimori.

Por fim, a bancada aguarda o retorno do recesso parlamentar para se reunir e tratar sobre a derrubada dos vetos na sessão do Congresso Nacional.

Fonte: Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.