Bayer é condenada a pagar US$ 1,56 bi em julgamento sobre o herbicida Roundup

Bayer é condenada a pagar US$ 1,56 bi em julgamento sobre o herbicida Roundup
Imagem: Reprodução Bayer

Um tribunal no Missouri determinou que a gigante química alemã Bayer deve pagar US$ 1,56 bilhão a quatro reclamantes que afirmaram que o herbicida Roundup, à base de glifosato, causou danos, incluindo câncer, conforme relatado pela Reuters.

Em seu veredicto de 17 de novembro – o mais recente de uma série de processos contra a empresa – o júri concluiu que a Monsanto, empresa da Bayer, era responsável por alegações de negligência, defeitos de projeto e por não alertar os reclamantes sobre os perigos potenciais do uso do Roundup, de acordo com documentos judiciais reportados pela Reuters em 19 de novembro.

Desde a aquisição da empresa agroquímica norte-americana Monsanto – proprietária do Roundup – por US$ 63 bilhões em 2018, a Bayer enfrentou uma série de processos judiciais.

Valorie Gunther, de Nova York, Jimmy Draeger, do Missouri, e Daniel Anderson, da Califórnia, receberam um total combinado de US$ 61,1 milhões em indenizações compensatórias e US$ 500 milhões cada em indenizações punitivas no último caso, conforme relatado.

Eles alegaram que o uso do Roundup em suas propriedades familiares foi a causa do linfoma não-Hodgkin diagnosticado em cada um dos três requerentes. Além disso, a esposa de Draeger, Brenda, recebeu US$ 100.000 pelos danos que supostamente sofreu devido à doença do marido.

A Reuters relatou que o recurso poderia reduzir as indenizações punitivas, pois estas ultrapassaram a orientação da Suprema Corte dos EUA.

A empresa, que comercializa a marca Roundup, afirmou repetidamente que décadas de estudos demonstraram que seu ingrediente ativo, o glifosato, eram seguros para uso humano.

Bayer enfrenta quarta decisão judicial desfavorável relacionada ao Roundup

A Bayer enfrentou a quarta decisão judicial consecutiva. Foi considerada responsável pelo veredicto. Isso ocorreu após a empresa ter sido absolvida de nove reivindicações anteriores, conforme indicado no relatório.

Em um comunicado, a Bayer afirmou ter fortes motivos para buscar a anulação dos veredictos recentes por meio de uma apelação.

Em outubro, um júri da Filadélfia concedeu ao proprietário de restaurante aposentado Ernest Caranci um veredicto de US$ 175 milhões. Caranci alegou que desenvolveu linfoma não-Hodgkins devido ao uso contínuo do Roundup em seu jardim. Essa afirmação foi relatada pela Agri-Pulse em 9 de novembro. Agora, ele está apelando contra esse veredicto como seu último recurso.

Em 2020, a Bayer resolveu a maioria das reivindicações do Roundup, totalizando até US$ 10,9 bilhões. No entanto, em 19 de novembro, a Reuters relatou que aproximadamente 50.000 casos ainda estavam pendentes relacionados ao Roundup.

A empresa não obteve êxito em seu apelo à Suprema Corte dos EUA. O objetivo era contestar a capacidade dos demandantes de processar sob a lei estadual, conforme indicado no relatório.

Fonte: Oils & Fats International

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.