“Bayer e Monsanto têm uma sinergia muito grande”, diz Hirata

O anúncio da compra da Monsanto pela Bayer agitou o agronegócio no mundo inteiro, provocando indagações sobre possíveis reflexos no mercado. Na avaliação do especialista Flávio Hirata, da Consultoria Allier Brasil, “há uma sinergia muito grande entre as empresas. É como se fosse a fome com a vontade de comer: só tem a agregar uma empresa à outra”. 

“A Bayer tem basicamente produtos agroquímicos, esse é o negócio que ela procura desenvolver. Já a Monsanto tem apenas um produto agroquímico, que é o glifosato, e o forte dela é a biotecnologia: sementes, onde ela é a número um. A Bayer não tem o glifosato – ninguém tem um produto similar –, com a mesma eficácia, o mesmo preço e a mesma competitividade do glifosato”, explica ele.

Engenheiro agrônomo atuando há muitos anos no mercado de agroquímicos, Hirata explica que vai ocorrer uma natural concentração no fornecimento de insumos: “Essas consolidações acabam resultando na verticalização total dos elos da cadeia. Desde o suprimento do produto técnico até sementes. Eles têm a fonte da matéria-prima, ou seja, o produto técnico, tem registros, tem distribuição, tem crédito e agora tem semente”.

“Embora elas não tenham ‘overlaping’, ou uma sobreposição de linha de produtos, essa empresa resultante vai concentrar mais força no mercado. Os agricultores ficarão mais dependentes dessas empresas. Porque antes ele comprava semente de um, glifosato de outro, e produtos químicos ele podia escolher entre várias opções. Agora, na medida em que vai verticalizando, as opções diminuem”, observa.

De acordo com o especialista, um fator positiva é a oferta de crédito: “Essas empresas têm e dão crédito, alavancam os produtores. Então é bom de uma certa forma. No entanto, por outro lado o agricultor vai pegar crédito de quem tem para oferecer – e quem tem são essas empresas grandes”.

Questionado sobre algum possível impacto nos preços ao consumidor, Hirata explica que, no Brasil, o preço está muito atrelado ao Dólar. “As empresas baixaram seus preços em Dólar, porque nos últimos três anos não está fácil o mercado agro. Embora o setor esteja despontando na economia brasileira, não está fácil, porque em várias regiões houve problema de quebra de safra. Então há muito grandes produtores em processo de recuperação judicial. Não posso dizer como estarão os preços em cinco, dez anos. Mas se o Dólar continuar estável, a tendência é manter ou aumentar os preços, porque a concorrência é muito pequena ainda. À medida que a concorrência aumenta, com mais registros de produtos, a tendência dos preços é cair. Se houver uma empresa, é um preço, se tiver 20 empresas, a tendência dos preços é cair”, conclui.

Fonte: Agrolink

 

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.