Biodiesel favorece a oferta de alimentos no Brasil, diz ABIOVE



Imagem: Pixabay


Cada ponto percentual a mais de biodiesel na mistura ao diesel gera maior produção de farelo e óleo de soja.

Enquanto se discute a retomada do aumento progressivo do teor de biodiesel adicionado ao diesel fóssil, a inflação de janeiro no Brasil registrou um crescimento de 0,53% puxada pelo preço dos alimentos, segundo divulgou o IBGE na última quinta (9).

{module Form RD}

O cenário poderia ser um pouco diferente se, ao invés dos atuais 10% (B10), a mistura de biodiesel fosse maior, já que a produção do biocombustível estimula o processamento da soja em grão e, portanto, de óleo de soja, sua principal matéria-prima, incrementando assim a oferta de farelo para a alimentação animal, o que resulta em melhores preços de produtos como carnes, ovos e produtos lácteos.

No relatório final do Grupo Técnico de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, lançado no fim de dezembro de 2022, o governo afirma que “Neste sentido, aos preços atuais, o aumento de 10% para 15%, implicaria uma variação de preços do diesel ao consumidor “na bomba” de 5 centavos por litro, um impacto estimado no IPCA de 0,002 pontos percentuais. No entanto, o aumento da mistura de biodiesel proporciona aumento da produção de farelo de soja a ser consumido pelas cadeias de proteína animal, com consequente redução de preços equivalente a 0,25 p.p. do IPCA, assim, auxiliando na redução da inflação de 0,23 p.p. do IPCA”. Cabe ainda mencionar que os impactos do biodiesel no diesel também foram calculados considerando o IGP-M. Neste caso, o aumento de 1 p.p. de biodiesel na mistura geraria um impacto direto e indireto de apenas 0,01 p.p. no índice, ou seja, um efeito bem inferior ao ganho proporcionado ao consumidor.

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (ABIOVE) reforça que cada ponto percentual a mais de biodiesel na mistura gera maior produção de farelo. Observando as estatísticas históricas, levantadas e mantidas pela associação, confirma-se o movimento de que mais biodiesel acarreta em mais alimentos. Esta análise parte do esmagamento da soja anual no país em dois intervalos distintos: de 1990 até 2007 e de 2008 (quando teve início o Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel – PNPB) até 2022. Entre 2008 e 2022, 90 milhões de toneladas de soja foram esmagadas a mais devido ao biodiesel. Isso representa cerca de 16% do total processado no período (502 milhões de toneladas).

A retomada da mistura do biodiesel neste ano também pode incrementar a produção de óleo de soja, produto de grande presença na mesa do brasileiro, em mais de quinhentas mil toneladas. As mais recentes projeções da ABIOVE para a atual safra apontam para uma produção de mais de 40 milhões de toneladas de farelo de soja e 10,7 milhões de toneladas de óleo, volumes recordes. Vale ressaltar que a entidade elaborou seus levantamentos considerando a retomada do cronograma de mistura de biodiesel ao diesel comercial em 15% (B15), a partir de março, conforme previsto em lei.

Fonte: Datagro

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.