Bioenergia: perspectiva de crescimento econômico da índia deve impulsionar uso de etanol no país


Imagem: Pixabay


Homem mais rico da Ásia diz que a Índia pode ser responsável por mais de 20% do PIB global em 2050. Como aliar crescimento econômico e sustentabilidade? A resposta está nos canaviais.

Bionergia será tema crucial para o desenvolvimento socioeconômico da Índia nas próximas décadas.

De acordo com Gautam Adani, considerado o homem mais rico da Ásia, a Índia pode vir a ser responsável por mais de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) global até 2050.

Em uma conferência em Mumbai, Gautam Adani estimou que o PIB de seu país pode começar a crescer cerca de US$ 1 trilhão, a cada 12 ou 18 meses, já nos próximos dez anos.

Segundo o bilionário, o consumo de energia da Índia tem potencial para aumentar em 400% até 2050.

{module Form RD}

Adani também disse que o PIB indiano deve alcançar US$ 30 trilhões em todo o período, o que representaria um salto de quase 10 vezes na comparação com o valor atual.

Com essa perspectiva de crescimento, o governo indiano e a iniciativa privada buscam desenvolver, com especial atenção, políticas de sustentabilidade.

No caso dos automóveis, por exemplo, vêm sendo adotadas iniciativas que visam a descarbonização.

 
Crescimento sustentável

No dia 11 de outubro, foi lançado na Índia o projeto-piloto de veículo flex híbrido a partir do modelo Corolla importado do Brasil.

O uso do etanol entre os indianos vem crescendo a cada ano. Em 2021, a produção global do biocombustível cresceu 3,6%, com boa parte desse aumento atribuído à expansão da capacidade do país asiático.

Vale ressaltar que o país produziu o dobro do volume de 2020, tornando-se, dessa forma, o terceiro maior produtor mundial, atrás apenas dos Estados Unidos e do Brasil.

Além de contribuir para as metas de descarbonização, o etanol é peça-chave na expansão econômica da Índia.

De acordo com Nitin Gadkari, ministro de Transportes Rodoviários e Rodovias do país asiático, o biocombustível seria uma forma de incrementar o setor agrícola indiano de 6% a 8% nos próximos anos.

Na esteira do etanol está a produção de hidrogênio, mostrando que o setor automobilístico indiano tem soluções domésticas múltiplas para crescer com sustentabilidade.

Atualmente, a Índia é a quinta maior economia do mundo, com um PIB de US$ 3,5 trilhões. “Bem antes de 2030, seremos a terceira maior economia do mundo e, posteriormente, a segunda maior economia do mundo até 2050”, diz Gautam Adani.

O Brasil terá papel fundamental nas ambições de desenvolvimento econômico da Índia, principalmente com o know-how em biocombustíveis, visto que o setor sucroenergético brasileiro é referência mundial quando o assunto é energia verde.

O que é bioenergia?

Falar de bioenergia é entrar em um território vasto:
  • Etanol;
  • Biodiesel;
  • Biogás;
  • Biometano etc.

Em suma, trata-se do processo de gerar energia a partir de matéria orgânica renovável, sendo uma alternativa às fontes de energia fóssil.

cana-de-açúcar é protagonista no universo da bioenergia, já que é uma cultura que pode ser aproveitada de várias maneiras. Por exemplo:

Caldo da cana-de-açúcar: usado para fazer o etanol de primeira geração (E1G). O bagaço é usado como fonte de energia elétrica, já a palha não é aproveitada.

Bagaço e palha da cana: esses subprodutos podem ser usados na produção de etanol de segunda geração (E2G), sendo também um processo integrado à fabricação do E1G.

Com o E2G, é possível incrementar a produção do biocombustível em até 50% sem precisar aumentar a área de plantio.

Como a Índia pode se beneficiar desse processo?

A Índia é o segundo maior produtor de cana-de-açúcar do mundo, atrás apenas do Brasil. Apesar da posição de destaque na produção da commodity, o país asiático é novato no âmbito dos biocombustíveis.

Mas, nos últimos anos, a Índia vem estreitando os laços com o setor sucroenergético brasileiro, o que vem surtindo efeito.

Mesmo dando os primeiros passos, o país asiático almeja chegar à mistura de etanol na gasolina em 20% (E20) até 2025 – atualmente a mistura é de 10%.

A política de mistura E20, embora seja integralmente concretizada apenas em 2025, dará os primeiros passos já em 2023, quando a comercialização do E20 ficará disponível em alguns postos de combustíveis do país.

Bioenergia no Brasil

O Brasil já se prepara para a nova revolução da bioenergia, com a produção de E2G e hidrogênio verde. A chamada “reforma do etanol” será mais um passo do setor sucroenergético brasileiro rumo às metas de descarbonização.

Além de ser crucial na segurança alimentar global, o Brasil desempenha importante papel na geração de bioenergia através do desenvolvimento de tecnologias que colocam o País na vanguarda das energias renováveis.

O Brasil tem vocação natural para o uso da bioenergia, uma vez que possui grande potencial sustentável.

Estima-se que até 2050 a bioenergia corresponderá a aproximadamente 30% de toda a energia usada no mundo.

Os benefícios econômicos e sociais são imensos, e o Brasil tem uma grande oportunidade de expandir seu protagonismo mundial quando o assunto é energia renovável.

Relação Brasil-Índia

Os dois maiores produtores de cana-de-açúcar do mundo estão cada vez mais próximos em virtude do etanol.

O Brasil, que já tem uma larga vivência no assunto, vem oferecendo sua experiência ao país asiático, que consolida cada vez mais o uso do biocombustível no seu território, visando a descarbonização e melhor interação com o meio ambiente.

A expertise brasileira está auxiliando a Índia nos seus esforços em tornar a sua indústria automobilística mais sustentável.

Tendo em vista a perspectiva de crescimento econômica audaciosa de Gautam Adani, há um longo caminho para a Índia percorrer para crescer de maneira sustentável.

O desafio é grande, porém, os indianos têm a cana-de-açúcar como uma das soluções, além da parceria com o Brasil, que deve continuar rendendo bons frutos para ambos os países.

Se a Índia realmente representará mais de 20% do PIB global em 2050, não temos como saber, mas é certo que esse desenvolvimento passa por uma matriz energética sustentável, que pode ser obtida através da bioenergia.

Fonte: Datagro

 
Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.