Branqueamento: evoluções e novidades no processo


Após serem submetidos às etapas de extração, os óleos e as gorduras seguem para o processo de  refino, no qual está o branqueamento – que também pode ser denominado descoramento ou clarificação -, e tem como propósito remover substâncias como proteínas, fosfatídeos, clorofila, xantofila, carontenóides e outras impurezas indesejáveis, mantendo a estabilidade dos óleos e gorduras, melhorando suas cores e outras características organolépticas, conferindo aos produtos maior valor agregado, atendendo as exigências de cada aplicação.

O Gerente Comercial responsável pela unidade de negócios Palm & Lauric Oils da Aboissa, Michel Malvasi, lembra que falar em refino físico há 30 anos seria praticamente impossível, já que as terras branqueantes da época não tinham a eficiência de hoje, quando também nem se falava em sílica para extração de fosfatídeos e metais. Somado a isso, as sementes oleosas eram mal acondicionadas, resultando e óleos brutos de qualidade bem inferior a que se tem hoje. Por essas razões, só era utilizado o refino químico, mais oneroso, além de ocorreram perdas e gerar efluentes.

“Hoje prevalece o refino físico, salvo exceções em que alguns óleos como o do algodão, devido suas propriedades, precisam ser submetidos aos processo químicos”, explica.

Em relação às evoluções observadas no processo de branqueamento dos óleos e gorduras vegetais ao longo dos anos, o Gerente da Aboissa destaca que aconteceram importantes melhorias nas terras branqueantes, nas sílicas, no coadjuvante de filtração, nos filtros herméticos, nos vasos reatores e nos processos em duas fases, viabilizando o refino físico e a automação das plantas.

“A terra branqueante só age se o óleo estiver com a umidade abaixo de 0,2% e a sílica – que tem como principal finalidade sequestrar as proteínas, fosfatídeos, sabões, metais e outros contaminantes relativos aos sabor – se a umidade estiver entre 0,4 e 0,8%. Por essas razões, o processo do branqueamento tradicional passou de etapa única para duas fases. A agitação dos branqueadores (vasos reatores) ficou mais eficiente com rotações em torno de 130 RPM ou com o uso de ejetores internos, que é na verdade o pré-tratamento. Tivemos também a evolução dos filtros de placa para os herméticos, permitindo trabalhar com temperaturas mais altas sem oxidar os óleos e gorduras, obtendo um rendimento máximo das terras branqueantes.”


Carlos Napravnik, responsável pela Vácuo Técnica, empresa de projetos e fabricação de equipantos de refino de óleos vegetais, parceira da Aboissa, acrescenta que em termos de novidades vale destacar o uso de três filtros para economizar a terra branqueante, obtendo o mesmo resultado, passando o óleo ou a gordura pelo filtro que está prestes a saturar e em seguida executando a filtração em outro limpo e com pré-capa.

“Algumas companhias norte-americanas e europeias vêm usando filtro de retrolimpeza para o branqueamento, o que diferencia ele do hermético é que seus elementos filtrantes são construídos de maneira que melhora muiTo a performance da clarificação. A informação que temos é que se economiza até 18% da terra branqueante. No Brasil, por ora, o método está sendo estudado.”

NOVAS OPÇÕES PARA ÓLEOS COMESTÍVEIS

Voltada para a melhoria contínua de seus produtos e para as atuais demandas do mercado de óleos, a Buntech destaca suas argilas Clarigel: RP, RPAP, e CA. As duas primeiras naturais (não passam pelo processo de ativação ácida) voltadas para a clarificação dos óleos de palma e a terceira para óleos de soja e canola cítricos com alta concentração de clorofila e de difícil retirada deste composto.

“A Clarigel RPAP, além de auxiliar o processo dos óleos que necessitam de argilas naturais, assim como a Clarigel RP, tem como diferencial, auxiliar o processo de filtração, gerando ganhos industriais que resultam em menos torta, maior tempo de filtração e óleo mais claro. Já a Clarigel CA ataca a clorofila presente no óleo, em alta quantidade, sem que haja necessidade de uma grande dosagem da argila no clarificador”, detalha o Consultor Técnico da área de Filtrantes e Clarificantes da Buntech, Rodolfo Gasparetto Manzoli.  


O Consultor Técnico da Buntech explica que no branqueamento do óleo de palma o maior desafio é evitar a contaminação por 3-MCPD e Ésteres de Glicidol (GE), por isso, o aumento no uso das argilas naturais, já que as argilas acidamente ativadas contribuem para ais contaminantes.

“No caso do óleo da soja que é o carro-chefe dos óleos comestíveis no Brasil, as atenções estão voltadas para a redução de custo nos processos. Uma menor dosagem de argila gera menor custo de compra, armazenamento e descarte dela, além de diminuir a perda do óleo durante o processo de filtração.”

Fonte: Revista Óleos e Gorduras

{module Form RD}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.