Mercado da soja está sem tendência e quem vai defini-la serão Brasil e Argentina, aponta Royal Rural

Mercado da soja está sem tendência e quem vai defini-la serão Brasil e Argentina, aponta Royal Rural
Imagem: Adobe Stock

O mercado da soja segue trabalhando com estabilidade na Bolsa de Chicago, já tendo testado os dois lados da tabela no pregão desta terça-feira (24). Perto de 11h20 (horário de Brasília), as cotações subiam pouco mais de 1 ponto, levando o novembro a US$ 12,88 e o maio a US$ 13,33 por bushel. Os derivados seguem recuando, com as baixas sendo lideradas pelo óleo, que já chegou a perder mais de 1%.

À espera de novas notícias, o mercado segue caminhando de forma bastante lateralizada, sem oscilações muito intensas. Apesar disso, segundo o analista e diretor da Royal Rural, Ronaldo Fernandes, “a vida útil para a soja acima dos US$ 13 (nos contratos mais próximos) tem sido muito curta”.

Em foco, permanecem a colheita americana – que já passa de 70%, segundo os últimos números do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) – e o plantio no Brasil, este ganhando cada vez mais espaço na visão dos agentes do mercado.

Incertezas climáticas e tendências de mercado

“32% é o número da área plantada no Brasil. No cenário nacional, se compararamos à média, este número não está muito atrasado não. Mas, se isolarmos algumas regiões e compararmos com o número do ano passado, aí sim dá pra falar de atraso. Então, quando isolamos algumas regiões, vemos algumas irregularidades e certo atraso. No quadro geral, ainda não podemos falar em atraso. E é assim que os estrangeiros olham”, explica Fernandes.

Dessa forma, os efeitos dos problemas que são sentidos pelos produtores brasileiros em função de adversidades climáticas ainda não é sentindo no caminhar das cotações da oleaginosa na CBOT. E agora, olhos todos voltados à previsão do tempo e se elas se confirmarão como se mostram nas últimas atualizações.

“Temos chuvas esperadas para 25 a 27, depois para. E voltam as chuvas generalizadas do dia 31 de outubro a 8 de novembro. Está marcado nos mapas e precisamos ver se essas chuvas vão se confirmar de fato. O outro ponto no radar são as altas temperaturas”, explica Fernandes. “Então, a produção brasileira não está nada definida, nem em volume, nem em preço. O mercado não consegue criar tendência porque ainda não consegue saber qual volume o Brasil vai conseguir produzir. E é importante deixar isso claro agora”, complementa.

E o executivo explica ainda dizendo que essa dificuldade de definição de tendência passa pelo momento que se divide entre “não termos boa janela e bom clima por agora e também não estarmos no pior dos mundos. Temos os dois cenários, pode quebrar, como pode ser uma boa produção. E os mapas é quem estão mostrando isso. Então, o mercado optou por sentar e esperar”, diz o diretor da Royal.

Tendências do mercado de soja em 2023/24: Brasil e Argentina no centro das atenções

O mercado vai dando mais atenção, aos poucos, à nova safra do Brasil, ao passo em que também, logo mais, começará a acompanhar mais de perto a safra 2023/24 da Argentina. O plantio por lá ainda não foi iniciado – como tradicionalmente acontece – e as especulações agora indicam a possibilidade de uma migração de parte da área de soja para milho, o que poderia também mexer com o mercado. Assim, como complementa Fernandes, seja pelo clima ou pelo preço, o futuro da sojicultura argentina será determinante para a definição do caminho dos preços da oleaginosa.

Ainda sobre a Argentina, a determinação política também está em evidência, com o segundo turno das eleições presidenciais acontecendo em pouco menos de um mês, entre Sérgio Massa e Javier Milei, e o desfecho da dispua terá um peso grande sobre o agronegócio do país, em especial por conta da garantia ou não de sua competitividade no mercado internacional.

“Assim, para definir a tendência da soja, temos, em primeiro lugar, o Brasil; segundo a Argentina, a América Latina é quem vai definir a tendência para a soja. E tem a demanda também, mas o chinês vai passar por trancos e barrancos, 100 milhões de toneladas ele precisa comprar e isso está certo, precificado. O que vai definir o preço da soja em 2024, mais do que a demanda, é saber o que virá de oferta. Essa é a dúvida. Porque a demanda vai variar, mas está precificada e consolidada”, resume Ronaldo Fernandes.

Assim, as ameaças que ainda se acumulam para a nova oferta não foram precificadas, com espaço para altas, “mas não estão definidas”. Brasil e Argentina é quem vão mandar na tendência.

Fonte: Carla Mendes | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários. *Estamos de férias coletivas e voltaremos às atividades dia 04/01/2024. Boas festas!

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.