Brasil faz aliança para tornar agricultura sustentável


Imagem: Pixabay

Uma equipe de pesquisa da Argentina, Brasil e Reino Unido, usando uma abordagem de rede ecológica, estabeleceu na Inglaterra a combinação ideal de plantas capaz de aumentar os serviços ‘benéficos’ e minimizar os negativos para as safras. Com essa ferramenta, buscam desenvolver um manejo agrícola adequado à Região Pampeana.

“Há anos, em um projeto com pesquisadores da Universidade de São Paulo, no Brasil, e de Newcastle, na Inglaterra, trabalhamos para ‘tirar o máximo’ de uma ferramenta muito poderosa, que é a abordagem de redes ecológicas. Em linhas gerais, o que esta abordagem permite é compreender a complexidade dos sistemas naturais, considerando-os como uma grande ‘rede de redes’ na qual, como na Internet, existem muitos elementos que se interligam e processos que ocorrem simultaneamente” disse Mariano Devoto, professor do Departamento de Botânica Geral da Facultad de Agronomia da Universidad de Buenos Aires (FAUBA).

{module Form RD}

Esses sistemas são compostos de várias partes – espécies animais e vegetais – interconectadas de várias maneiras, como quando uma abelha poliniza uma flor, ou quando um herbívoro come uma planta, ou quando um inseto parasita e mata outra espécie animal. Ao registrar a complexidade dos agroecossistemas e relacioná-la aos serviços ecossistêmicos que eles fornecem, pode-se gerar uma gestão agrícola sustentável que aprimore a biodiversidade e a produção de alimentos ao mesmo tempo.

“Esse estudo foi realizado em uma típica fazenda do sudeste da Inglaterra e meio que ‘quebrou’ a disciplina porque foi o primeiro do tipo, com enorme esforço financeiro e humano. Ele foi baseado em um conjunto de dados impressionante construído ao longo dos anos pelo grupo da Dra. Jane Memmott na Universidade de Bristol, na Inglaterra. Em todos os ambientes daquela fazenda, muitas pessoas amostraram a fauna e a flora das orlas semana a semana. Eles também registraram todas as possíveis interações nas redes, como polinização, dispersão e predação de sementes ou controle de herbívoros, entre outras”, explicou Devoto.

Por: Leonardo Gottems | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.