Brasil pode se tornar nova Arábia Saudita na produção de SAF

Brasil pode se tornar nova Arábia Saudita na produção de SAF
Imagem: Adobe Stock

“O Brasil pode ser a Arábia Saudita na produção de SAF, o Combustível Sustentável de Aviação”. É assim que Milton Steagall, CEO do Grupo BBF (Brasil BioFuels), define a oportunidade brasileira de se tornar líder na produção de biocombustíveis de segunda geração como o SAF e o Diesel Verde. O executivo participou nesta quarta-feira (8) de evento na capital paulista e defendeu o cultivo sustentável da palma de óleo como matéria-prima principal para descarbonizar o setor de aviação. O evento teve como tema “A nova Revolução Verde: do alimento à energia, o potencial do Brasil para ser superpotência”.

A Arábia Saudita é um dos principais países produtores de petróleo do mundo. Estados Unidos, Rússia e o país do Oriente Médio respondem por mais de 40% da produção global da matéria-prima, segundo o Instituto Brasileira de Petróleo e Gás.

Potencial sustentável e desafios regulatórios no Brasil

De acordo com Steagall, atualmente, a produção brasileira de óleo de palma ainda é tímida, colocando o país na décima posição no ranking de maiores produtores. Os países que detêm 95% da produção mundial deste óleo, o mais consumido no mundo, são a Indonésia, Malásia e Tailândia, concentrando-se em torno de 80 milhões de toneladas por ano. Este volume está concentrado em cerca de 22 milhões de hectares cultivados com a cultura, que devastou florestas tropicais da Ásia.

O Brasil, porém, tem o potencial de cultivar a palma, de forma totalmente sustentável, em 31 milhões de hectares de áreas degradadas na região amazônica, segundo robusto trabalho realizado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). O Governo Federal estabeleceu a legislação brasileira para o cultivo da palma por meio do Decreto 7.172, em 2010. Essa legislação é considerada a mais rígida do mundo neste setor, uma vez que autoriza o cultivo da palma somente em áreas desmatadas na região amazônica até dezembro de 2007.

O potencial sustentável da palma na Amazônia

Apesar de permitir o cultivo sem desmatamento, o Brasil destina apenas 300 mil hectares à palma. Desses, 75 mil hectares são propriedade do Grupo BBF. Com os 31 milhões de hectares disponíveis, temos a oportunidade de produzir anualmente 1,1 bilhão de barris de óleo de palma, destinados ao desenvolvimento de biocombustíveis para atender ao setor aéreo.” O executivo afirma que isso supera a extração da Petrobras no pré-sal brasileiro, caracterizando assim um verdadeiro ‘pré-sal verde’ em nosso país.

A partir de 2026, o Grupo BBF vai iniciar o fornecimento de SAF (Combustível Sustentável de Aviação) e Diesel Verde para a Vibra Energia (antiga BR Distribuidora) – em contrato de offtaker. A matéria-prima para os biocombustíveis avançados será o óleo de palma cultivado pelo Grupo BBF na região Amazônica. A primeira biorrefinaria do país realizará o refinamento para produzir os inovadores biocombustíveis em escala industrial. Uma nova planta será construída com investimento superior a R$ 2,2 bilhões. A capacidade de produção anual será de cerca de 500 milhões de litros de SAF e Diesel Verde.

O cultivo da palma não se limita à produção de óleo. As toneladas de folhas são empregadas para recompor organicamente os palmares, constituindo uma prática sustentável além do fruto. Mas segundo Steagall, é possível utilizar essas folhas como biomassa para a geração de energia renovável.

Marco fundiário

O Zoneamento Agroecológico da Palma de Óleo é o nome dado à legislação federal que regulamenta o cultivo dessa cultura. Este decreto, de maio de 2010, representa um feito e um marco fundiário significativo para essa cultura. Agora, precisamos de estímulo e capital para desenvolver e recuperar essas áreas, requerendo linhas de financiamento nesse sentido. Muitas empresas como o Grupo BBF podem surgir, o que é muito positivo”, diz.

As fontes de financiamento são essenciais para o cultivo da palma. A planta leva pelo menos quatro anos para entrar na fase de colheita. Além disso, é necessário construir usinas para extrair o óleo.Milton destaca a cultura como virtude adicional. O cultivo manual é crucial, gerando milhares de empregos. Essa prática beneficia regiões remotas com oportunidades de renda limitadas.

Fonte: Datagro

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.