Real desvalorizado e indústria de proteína demandadora devem manter milho alto no Brasil, afirma Itaú BBA

A consultoria Itaú BBA divulgou seu relatório Agro Mensal analisando o atual cenário e apontando perspectivas para diversos produtos agrícolas brasileiros como soja, milho, algodão, açúcar, café, laranja e proteínas animais.

No que diz respeito ao milho, os consultores apontaram que o produtor brasileiro segue com restrições em disponibilizar o produto no mercado e o avanço da colheita nas regiões produtoras deve influenciar as cotações para oscilarem próximas aos patamares de paridade de exportação.

“A paridade de exportação tende a seguir em níveis altos diante do câmbio desvalorizado e do mercado interno demandante, na esteira do momento positivo da indústria de proteína animal, o que ajuda a elevar os prêmios nos portos”, afirma o relatório.

Olhando para a próxima safra 2020/21, a Itaú BBA aponta que o momento para as cotações também é bom e que os produtores aproveitam para intensificar a comercialização antecipada desta próxima safra. No Mato Grosso, por exemplo, 40,9% desta próxima produção já está negociada, de acordo com o Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária).

Para a atual safra, a análise é de cotações que voltaram a subir em julho, mesmo com a colheita da segunda safra avançando e da desvalorização do dólar ante ao real. “A razão para isso vem da boa capitalização do produtor após os bons resultados apurados com a soja e do elevado volume de comercialização antecipada, que também tira a pressão para que parte da produção, que ainda não foi negociada, seja disponibilizada ao mercado”.

Por fim, o relatório destaca ainda números para o balanço brasileiro de milho. Segundo o levantamento da consultoria, o país iniciou o ciclo 2019/20 com 10 milhões de toneladas de milho em estoque, deve produzir 101 milhões e importar outro 1 milhão, totalizando uma oferta total de 111 milhões de toneladas. Já do lado do consumo, 35 milhões de toneladas soa estimadas para a exportação e outros 68 milhões para uso interno, restando um estoque final de 8 milhões de toneladas, 2 a menos do que o inicio da safra.

Fonte: Notícias Agrícolas

LEIA TAMBÉM:

{module 441}
{module 442}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.