Capacidade de armazenagem agrícola brasileira cresce 2,5% no primeiro semestre


Imagem: Pixabay


No 1º semestre de 2021, a capacidade disponível para armazenamento no Brasil foi de 180,6 milhões toneladas, 2,5% superior ao semestre anterior, apontam dados do IBGE. O número de estabelecimentos subiu também 2,5% em relação ao segundo semestre de 2020.

O Rio Grande do Sul possui o maior número de estabelecimentos de armazenagem (2.112) e o Mato Grosso possui a maior capacidade: 44,4 milhões de toneladas. O estoque de produtos agrícolas totalizou 59,2 milhões de toneladas, uma alta de 12% frente às 52,9 milhões de toneladas de 30 de junho 2020.

Neste primeiro semestre de 2021, as Regiões Sul, Nordeste e Norte tiveram aumentos no número de estabelecimentos de 5,7%, 3,8% e 1,7%, respectivamente, enquanto as Regiões Sudeste e Centro-Oeste apresentaram quedas de 1,1% e 0,6%. Em relação aos estoques dos cinco principais produtos agrícolas existentes nas unidades armazenadoras, os estoques de soja representaram o maior volume (36,7 milhões de toneladas), seguidos pelos estoques de milho (11,4 milhões), arroz (5,5 milhões), trigo (2,4 milhões) e café (1,0 milhão). Estes produtos constituem 96,2% do total estocado entre os produtos monitorados por esta pesquisa.

Capacidade dos silos chega a 90,4 milhões de toneladas, com alta de 3,6%.

Em termos de capacidade útil armazenável, os silos predominam no País, tendo alcançado 90,4 milhões de toneladas no primeiro semestre de 2021, o que representa 50,0% da capacidade útil total. Em relação ao segundo semestre de 2020, a capacidade dos silos cresceu 3,6%.

{module Form RD}

Na sequência, assinalam-se os armazéns graneleiros e granelizados, que atingiram 67,7 milhões de toneladas de capacidade útil armazenável, 2,4% superior à verificada no período anterior. Este tipo de armazenagem é responsável por 37,5% da armazenagem nacional.

Com relação aos armazéns convencionais, estruturais e infláveis, somaram 22,5 milhões de toneladas, o que representou uma queda de 1,6% em relação ao segundo semestre de 2020. Esses armazéns contribuem com 12,5% da capacidade total de armazenagem.

Por região, os silos predominam na Região Sul, sendo responsáveis por 62,7% da capacidade armazenadora da região e 50,3% da capacidade total de silos do país. O tipo graneleiros e granelizados aparece com maior intensidade no Centro-Oeste, com 54,0% da capacidade da Região e 55,9% da capacidade total. Os armazéns convencionais, estruturais e infláveis predominam na Região Sul (34,9%), seguido de perto pela Região Sudeste (31,5%). Estas duas regiões juntas correspondem a 66,4% da capacidade total de armazéns convencionais, estruturais e infláveis do país.

Regiões Sul, Nordeste e Norte tiveram aumentos no número de estabelecimentos.

Com 8 098 estabelecimentos ativos no primeiro semestre de 2021, a pesquisa apresentou acréscimo de 2,5% no número de estabelecimentos ativos quando comparada com o segundo semestre de 2020. As Regiões Sul, Nordeste e Norte tiveram aumentos no número de estabelecimentos de 5,7%, 3,8% e 1,7%, respectivamente, enquanto as Regiões Sudeste e Centro-Oeste apresentaram quedas de 1,1% e 0,6%.

O Rio Grande do Sul possui o maior número de estabelecimentos de armazenagem (2.112), seguido do Mato Grosso (1.363) e Paraná (1.334). Mato Grosso tem a maior capacidade de armazenagem do País, com 44,4 milhões de toneladas. Deste total, 59,8% são do tipo graneleiros e 33,3% são silos. O Rio Grande do Sul e o Paraná têm 34,3 e 32,6 milhões de toneladas de capacidade, respectivamente, e o silo é predominante nesses estados.

Estoque de milho cai 14%, mas soja, arroz, trigo e café têm alta.

O estoque de produtos agrícolas totalizou 59,2 milhões de toneladas, uma alta de 12% frente às 52,9 milhões de toneladas de 30 de junho 2020.

No primeiro semestre de 2021, houve acréscimos nos estoques de soja (19,3%), arroz (33,8%), trigo (29,3%) e café (14,0%), frente ao primeiro semestre de 2020, enquanto o estoque de milho recuou (-14,2%). Estes produtos constituem 96,2% do total estocado entre os produtos monitorados pela pesquisa. Os 3,8% restantes são compostos por algodão, feijão preto, feijão de cor e outros grãos e sementes.

Fonte: DATAGRO

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.