China libera importação de 10 mi de t de soja dos EUA isentas de tarifação

A Reuters Internacional informou, nesta terça-feira (22), que a China liberou uma nova cota de 10 milhões de toneladas de soja importada dos Estados Unidos isenta da tarifação de 25%. Segundo a agência, a cota se dá para empresas privadas e estatais de processamento da oleaginosa e tradings com plantas na China. 

O volume foi definido em uma reunião com representantes de Pequim, ainda de acordo com as fontes ouvidas pela Reuters, e reunião que acontece semanas depois de o presidente americano Donald Trump anunciar que a nação asiática deve ampliar suas compras de produtos agrícolas norte-americanos para algo entre US$ 40 bilhões e US$ 50 bilhões. 

O governo chinês, porém, ainda não emitiu um comunicado oficial sobre a nova cota. 

Informações apuradas pela consultoria internacional ARC Mercosul, dão conta de que uma teleconferência entre representantes do alto escalão da China e dos Estados Unidos teria sido marcada para esta sexta-feira, 25 de outubro. 

A notícia desta nova cota chega em um momento onde o mercado ainda aguarda por mais informações sobre o acordo parcial que foi firmado entre as duas partes, há cerca de 10 dias, em Washington, mas sobre o qual o mercado ainda não conhece mais detalhes e definições, nem quando começa a vigorar. 

“O fato de que foi liberada só uma cota, que dá menos de dois meses de necessidade de importação pela China, mostra que ainda nada está resolvido e estão solucionando uma situação para o curto prazo”, acredita Steve Cachia, consultor da AgroCulte e da Cerealpar. “Ou seja, não dá para declarar fim da guerra comercial ainda. Tudo está ainda em aberto, inclusive para voltarmos a ter uma deterioração nas negociações”, completa.

Nesta segunda-feira (21), Trump disse “eles começaram a comprar. Eu quero mais”, em uma reunião realizada na Casa Branca, referindo-se às compras de produtos agrícolas norte-americanos por parte da China. A informação parte da agência internacional de notícias Bloomberg.  

SOJA DO BRASIL

Além do desconhecimento do mercado sobre os detalhes da chamada ‘fase um’ do acordo parcial entre China e EUA, o mercado ainda se atenta às compras que a nação asiática segue fazendo no Brasil. Sua maior concentração de compras se mantém no mercado brasileiro, inclusive com foco na oferta da safra 2019/20. 

“Os compradores chineses tem adquirido muita soja brasileira. O governo estava mandando uma mensagem para que os importadores fiquem atentos ao cenário geral”, disse uma das fontes ouvidas pela Reuters Internacional. 

Fonte: Noticias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.