China se preocupa com divisão da oposição em Taiwan para eleições de janeiro

China se preocupa com divisão da oposição em Taiwan para eleições de janeiro
Imagem: Pixabay

Pequim está temendo que uma divisão na oposição de Taiwan possa abrir caminho para que o partido governista da ilha – que o governo chinês despreza – permaneça no poder, com a China assumindo o centro das atenções na campanha eleitoral no fim de semana.

A China, que reivindica Taiwan como seu próprio território, tem grande influência sobre as eleições presidenciais e parlamentares de 13 de janeiro, à medida que tem aumentado a pressão militar contra a ilha.

Na semana passada, as negociações para uma chapa presidencial unida entre os dois principais partidos de oposição, que buscam laços mais estreitos com a China, implodiram, dando um impulso ao Partido Democrático Progressista (DPP), que lidera as pesquisas de opinião.

Até agora, a China emitiu uma breve resposta oficial. O Escritório de Assuntos de Taiwan expressou na sexta-feira a esperança de que o resultado da eleição contribua para a paz e estabilidade. A declaração reiterou que Taiwan está diante de “uma escolha entre guerra e paz”.

Mas nas mídias sociais chinesas, o drama tem sido acompanhado por um sentimento de desespero com a desunião da oposição.

Zhang Xuesong, diretor de pesquisa estratégica do instituto chinês CICG Ásia-Pacifico, expressou em sua conta na mídia social Weibo que a desintegração das negociações representa uma “derrota para a paz no Estreito de Taiwan”.

“Esse foi um dia extremamente frustrante”, acrescentou. “É claro que a única coisa que nos dá confiança é que Taiwan está um passo mais perto de finalmente ser reunificada.”

Outras contas chinesas do Weibo que acompanham Taiwan ficaram igualmente desanimadas.

Fracasso nas negociações com Taiwan desencadeia preocupações e desânimo entre os cidadãos

A estatal Shenzhen Television escreveu, enfim, que o fracasso nas negociações sinalizava “uma batalha caótica” que estava por vir nas eleições.

Um usuário chinês do Weibo escreveu simplesmente: “Vi a notícia de que as negociações foram interrompidas e agora perdi a esperança”.

O DPP tem desafiado a pressão chinesa. Pequim considera Lai Ching-te, candidato do DPP, um separatista. Recusa as ofertas de diálogo de Tsai Ing-wen, presidente de Taiwan, e de Lai Ching-te, em várias ocasiões.

Em discurso em um comício de campanha na noite de domingo na cidade irmã de Taipé, Nova Taipé, Lai disse que se Taiwan aceitar que faz parte da China – o ponto principal de Pequim para as conversações – perderá a soberania.

“Sem soberania, vocês não terão propriedade sobre suas terras, suas casas”, disse Lai.

Fonte: Redação de Pequim e Ben Blanchard | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.