Cientistas chineses desenvolvem nova ferramenta de edição de genes que não usa CRISPR

Cientistas chineses desenvolvem nova ferramenta de edição de genes que não usa CRISPR

Uma equipe de cientistas de Pequim desenvolveu uma nova ferramenta de edição de genes. Essa tecnologia não utiliza o CRISPR, conforme relatado pelo South China Morning Post (SCMP).

Os pesquisadores do Instituto de Genética e Biologia do Desenvolvimento da Academia Chinesa de Ciências publicaram detalhes de seu sistema modular de edição de genes. Esse sistema é chamado CyDENT e foi divulgado na revista Nature Biotechnology. A data da publicação foi 28 de agosto.

De acordo com o relatório de 9 de setembro, o sistema CyDENT opera de forma ligeiramente diferente do CRISPR/Cas9, que possui uma patente nos EUA.

O CRISPR divide o DNA de fita dupla para fazer edições nos pares de bases que compõem as fitas, de acordo com a CRISPR Therapeutics. Um processo celular natural corta e depois repara o DNA.

O CyDENT pode ser usado para editar genes específicos da fita sem nenhum corte, conforme indicado pelo artigo de pesquisa.

Kevin Zhao, cofundador da Qi Biodesign, em Suzhou, explicou o CyDENT. Esse sistema emprega módulos. Esses módulos cuidam de várias etapas na edição.

Tecnologia de edição genética CyDENT: Avanços promissores e potencial no setor agrícola e terapêutico

Zhao disse que eles desenvolveram o CyDENT usando uma “abordagem baseada em proteína” que depende de um sinal de proteína para transportar o editor para o interior, ignorando a necessidade de um RNA guia e permitindo o acesso a genomas de células de difícil acesso.

A equipe disse, no entanto, que precisa de mais pesquisas para determinar as melhores combinações de seus elementos modulares para produzir os melhores resultados de edição.

Para a terapêutica humana, Zhao disse que as considerações mais importantes são a segurança e a eficiência, embora a ferramenta tenha demonstrado um grande potencial para explorar DNA anteriormente não editável.

Ele acrescentou que a equipe estava explorando o que poderia alcançar em cloroplastos de plantas, onde a eficiência da edição não precisava ser tão alta, para iniciar uma pesquisa mais aprofundada.

Zhao afirmou que o setor de agronegócios poderia usar o sistema, pois muitas proteínas codificadas no cloroplasto – onde ocorre a fotossíntese – estão relacionadas à eficiência da conversão da luz solar em energia. Isso significa que a engenharia de culturas para uma melhor conversão de energia poderia produzir melhores rendimentos.

Fonte: Oils & Fats International

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.