CNA atualiza balanço das ações de apoio ao agronegócio

O superintendente técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Bruno Lucchi, e o coordenador de Inovação do Sistema CNA/Senar, Matheus Ferreira, participaram na sexta-feira (17) de uma conversa ao vivo pelo Instagram para falar das principais ações da entidade para reduzir os impactos da quarentena no setor agropecuário.

Durante o debate, Lucchi fez um balanço das medidas e estratégias da Confederação para apoiar o produtor rural na crise causada pelo coronavírus (COVID-19). Uma delas foi a garantia de que a atividade agropecuária fosse estabelecida como serviço essencial no período de calamidade pública (Decreto nº 10.282).

Em seguida, o superintendente falou do lançamento de uma cartilha online com recomendações de prevenção ao coronavírus nas propriedades rurais. “Desde o início a nossa preocupação era garantir a saúde dos produtores e trabalhadores do campo. Para isso, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural e os Ministérios da Agricultura e da Saúde produziram o documento com orientações e medidas de proteção”, disse.

Outro ponto destacado foram os custos de produção do setor. “Sabendo que haveria alta do dólar, propomos a prorrogação do convênio ICMS 100, que já foi atendida, e a suspensão da cobrança do Adicional de Frete para Renovação da Marinha Mercante (AFREM), por conta de produtos importados como os fertilizantes”.

Crédito – Lucchi citou ainda medidas de prorrogação dos prazos para pagamentos dos financiamentos rurais e para acesso ao crédito e informou também que nesta semana a Confederação solicitou à Receita Federal a prorrogação do prazo para a prestação das informações sobre o Valor de Terra Nua (VTN).

Além disso, a CNA e mais nove entidades do setor sucroenergético encaminharam ao presidente da República, Jair Bolsonaro, e à ministra da Agricultura, Tereza Cristina, um documento com medidas emergenciais para evitar o colapso do segmento diante da pandemia e dos baixos preços internacionais do petróleo.

Segundo Lucchi, entre as medidas propostas estão a instituição de um programa de warrantagem (uso do produto como garantia em empréstimo), a isenção temporária de PIS/Cofins sobre o etanol hidratado e o aumento da Contribuição de Intervenção sobre Domínio Econômico (Cide) sobre a gasolina para recuperar a competitividade do etanol.

A Resolução 4.801, publicada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que autoriza a prorrogação do reembolso das operações de crédito rural de custeio e investimento de produtores prejudicados em função da pandemia, foi outra conquista da CNA. De acordo com a norma, podem ser prorrogadas até 15 de agosto as parcelas de custeio e investimento já vencidas ou com vencimento no período de 1° de janeiro a 14 de agosto deste ano.

Comercialização – Outras medidas importantes destacadas durante a conversa foram as de apoio à comercialização de produtos agropecuários. O superintendente técnico da CNA pontuou a manutenção do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) para a aquisição direta de alimentos junto aos produtores rurais, o retorno das feiras livres e a abertura do mercado da Coreia do Sul para o camarão brasileiro.

Ainda sobre comercialização, o coordenador de Inovação do Sistema CNA/Senar, Matheus Ferreira, falou do lançamento de uma plataforma nacional de comércio eletrônico, que vai reunir produtores rurais, aplicativos, redes de supermercados e prestadores de serviço de frete para facilitar a comercialização de produtos do campo. “Acreditamos que essa plataforma vai ser um dos principais legados dessa crise. Ela surgiu como alternativa de canal de comercialização para o produtor garantir o alimento à população brasileira nesse período”.

A plataforma, disponível no portal mercado.cnabrasil.org.br, possui três formatos de cadastros: um para o produtor, que poderá cadastrar a sua região e os produtos que têm à disposição, outro para o comprador, que informará sua demanda e abrangência, e outro para transportadores, que poderão fazer as entregas dos produtos.

Resultados – o canal foi lançado no último dia 15 e já apresenta resultados. De acordo com Matheus Ferreira, mais de 200 produtores de 22 estados brasileiros já se cadastraram. Os principais produtos registrados são das cadeias de frutas e hortifruti, como alface, banana, tomate, mandioca, lima, abacate, abóbora e laranja. Com relação aos interessados, mais de 100 compradores de 20 estados fizeram o cadastro, entre eles estão supermercados, cooperativas e pequenos comércios. “Já temos 228 municípios registrados, sendo 10% deles de cadastros de compradores e vendedores, ou seja, eles são da mesma região, mas provavelmente não se conhecem. O nosso objetivo também é entrar em contato com eles para que a negociação avance”, explicou.

Ao término da conversa, o coordenador de Inovação do Sistema CNA/Senar lembrou que ao fazer o cadastro na plataforma, o produtor pode também baixar o guia com orientações sobre como comercializar o produto pela internet. A publicação traz, além de informações sobre embalagem, volume e peso, dicas de como tornar o produto mais atrativo para o consumidor.

Fonte: DATAGRO 

{module 441}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.