Lavouras de trigo já registram perda de qualidade

Colheitas de trigo já registram perda de qualidade
Imagem: Pixabay

A cultura do trigo vem enfrentando uma realidade desafiadora no Brasil. A situação atual é marcada por variações significativas entre os estados, e a principal influência recai sobre as condições climáticas, especialmente as chuvas excessivas.

De acordo com os dados divulgados pelo Boletim Semanal das Condições das Lavouras da Conab, as chuvas abundantes têm exercido um impacto considerável na qualidade e produtividade do trigo no ciclo atual, afetando principalmente Santa Catarina e Rio Grande do Sul. No Paraná, que já colheu 75% de suas lavouras, a situação é mais promissora. O restante segue em bom desenvolvimento, em contraste com outros estados afetados pela alta pluviosidade.

Santa Catarina enfrenta avanços lentos na colheita devido às instabilidades climáticas. Essas condições adversas impactam a qualidade das lavouras e dos grãos colhidos. Doenças de final de ciclo e alterações no pH dos grãos devido à germinação na espiga preocupam os agricultores. Regiões do Extremo-Oeste relatam grãos de baixa qualidade, reclassificados como triguilho, principalmente devido à alta pluviosidade pós-maturação.

Desafios climáticos na colheita: Umidade elevada afeta qualidade dos grãos no Sul do Brasil

No Rio Grande do Sul, a colheita avança apesar da umidade elevada nos grãos. Para evitar uma degradação ainda maior da qualidade, tomamos essa medida, mas ela resulta em custos adicionais de secagem. As condições de alta umidade e temperatura propiciam o surgimento de doenças fúngicas e bacterioses, comprometendo a eficácia dos defensivos agrícolas. O baixo pH nos grãos colhidos indica problemas na qualidade final. Além disso, fenômenos como o acamamento e a debulha espontânea ocorreram em algumas áreas, diretamente relacionados às condições climáticas adversas.

São Paulo e Minas Gerais parecem ser os estados menos afetados pelas condições climáticas adversas. Quase todas as lavouras já foram colhidas, e os rendimentos médios são considerados bons em São Paulo. Em Minas Gerais, a colheita foi totalmente finalizada, demonstrando uma situação mais estável em relação ao trigo.

Considerando os 8 estados em questão, a colheita aumentou de 41% na semana anterior para 51,8% no levantamento mais recente. Índice 21,2% acima do registrado no mesmo período na safra passada.

Neste relatório, examinamos os últimos números da colheita de grãos em diferentes regiões do Brasil, destacando os avanços significativos e as razões por trás dessas mudanças.

Minas Gerais – 100% de colheita concluída

Em Minas Gerais, a colheita deste ano, afinal, atingiu a marca de 100%, representando um aumento de 0.4% em relação ao último monitoramento. Este resultado, contudo, demonstra eficiência na gestão das lavouras e é uma notícia positiva para os produtores da região.

Rio Grande do Sul – aumento de 20%

O Rio Grande do Sul apresentou uma mudança significativa, com a colheita saltando de 3% na safra de 2022 para 23% no dado mais recente. A necessidade de colher grãos com maior teor de umidade, evitando perdas mais expressivas, pode atribuir uma parte desse aumento. Uma estratégia eficaz para otimizar os rendimentos.

Paraná – avanço de 23% na colheita

Os números revelam, afinal, um impressionante avanço na colheita do Paraná, que saltou, aliás, de 50% na safra de 2022 para 73% este ano. Essa evolução sugere, analogamente, uma gestão eficaz das lavouras, mesmo diante de desafios climáticos que poderiam ter sido problemáticos. Um exemplo de como o planejamento cuidadoso pode superar obstáculos, anteriormente, inegavelmente.

Santa Catarina – adiantamento na colheita

Santa Catarina mostra um ritmo de colheita mais adiantado do que na safra anterior, com um índice de 8% atualmente. Esse avanço precoce é uma resposta à tentativa de mitigar os danos causados pelas chuvas excessivas e o surgimento de doenças de final de ciclo. Uma estratégia eficiente para minimizar perdas.

São Paulo – manutenção do bom ritmo

São Paulo manteve um ritmo constante de colheita, contudo registrando um avanço de 13% em relação à semana anterior. Um manejo eficiente ou seja condições climáticas mais favoráveis em comparação com outras regiões podem atribuir isso. Demonstrando a importância da adaptação às condições locais.

Fonte: Aline Merladete | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários. *Estamos de férias coletivas e voltaremos às atividades dia 04/01/2024. Boas festas!

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.