Como está o mercado da soja?



Imagem: Adobe Stock


As cotações da soja, em Chicago, após dispararem no dia 30/06, devido aos números divulgados nos relatórios de plantio e de estoques trimestrais, acabaram recuando durante o restante da semana. O bushel da oleaginosa chegou a bater em US$ 15,62 para o primeiro mês cotado, no dia 03/07, fechando a quinta-feira (06) em US$ 15,25, contra US$ 14,83 uma semana antes.

De fato, o relatório de plantio surpreendeu ao informar que a área efetivamente semeada com soja nos EUA ficou 5% menor do que a realizada no ano anterior, atingindo a 33,79 milhões de hectares. Diante disso, a produção projetada de 122 milhões de toneladas pode não se realizar, impactando em uma elevação especulativa importante em Chicago. Ao mesmo tempo, o relatório de estoque trimestral, na posição 1º de junho, apontou um volume de 21,7 milhões de toneladas, ficando aquém do esperado pelo mecado. Este volume representa 18% a menos de estoque em relação a mesma data do ano passado.

{module Form RD}

Em paralelo, a qualidade das lavouras estadunidenses, na posição 02/07, caiu mais um pouco, ficando com 50% entre boas a excelentes, 35% regulares e 15% entre ruins a muito ruins. Ao mesmo tempo, 24% das lavouras estavam em fase de floração naquela data, contra 20% na média histórica, enquanto 4% estavam com formação de vagens.

Todavia, durante a semana houve chuvas interessantes na região produtora estadunidense, com perspectivas de novas chuvas nos próximos dias. Isso provocou um recuo nas cotações após o feriado estadunidense do dia 04/07. Mesmo assim, merece destaque o fato de que o óleo de soja chegou a atingir a 68,58 centavos de dólar por libra-peso, puxado por um aumento na demanda global, assim como pelo aumento nos preços do petróleo no mercado internacional. Este preço do óleo foi o mais alto desde o final de novembro do ano passado.

E aqui no Brasil, diante desta recuperação momentânea de Chicago, e de um câmbio que voltou a desvalorizar o Real durante a semana (R$ 4,93 em 06/07), os preços melhoraram, mesmo com os prêmios permanecendo negativos nos portos, sem evolução significativa em relação a semana anterior.

Assim, a média gaúcha fechou a semana em R$ 131,62/saco, enquanto as principais praças estaduais trabalharam com R$ 130,50. Nas demais regiões brasileiras, o preço da soja oscilou entre R$ 110,00 e R$ 124,00/saco.

A demanda firme pelo óleo de soja para biodiesel, tanto aqui como no exterior, ajudou a puxar os preços da soja. Ao mesmo tempo, diante da enorme seca sofrida, a Argentina, maior exportador mundial de óleo e farelo de soja, anunciou que irá exportar apenas 3,75 milhões de toneladas do óleo neste ano. Esta será a quantidade mais baixa dos últimos 22 anos. Com isso, a busca pelo óleo de soja dos EUA e do Brasil deve aumentar, fato que deu sustento também às cotações do grão, lembrando que o USDA está projetando uma demanda interna recorde, nos dois países, em 2022/23.

Ou seja, abriu uma janela de melhores preços junto à soja brasileira, mais cedo do que o previsto, porém, sem ser inesperada já que se aguardava certa melhoria nos preços nacionais para o segundo semestre, Porém, por enquanto, não foi a recuperação dos
prêmios o motivo, fato que permite alertar que a abertura desta janela possa ser de curto prazo. Tudo dependerá da evolução do clima nos EUA em julho e agosto. Mais uma vez a estratégia de realiação de médias de comercialização se apresenta fundamental.

Importante destacar que, no mercado de lotes, no início desta corrente semana, o porto de Rio Grande chegou a testar os R$ 150,00/saco. Seria o melhor momento de preços desde fevereiro passado. Já para Paranaguá os ganhos não são tão bons. O mercado de lotes no porto paranaense ainda sente uma pressão maior de oferta, com os vendedores mais presentes. Com isso, as referências de preço estão quase R$ 5,00/saco abaixo das observadas em Rio Grande. (cf. Brandalizze Consulting)

Por outro lado, a exportação brasileira de soja, em julho, está estimada em 9,4 milhões de toneladas. Se confirmada, será 2,4 milhões de toneladas acima do registrado em julho de 2022. Mesmo assim, o volume ficaria abaixo das 13,9 milhões de toneladas embarcadas em junho, e das 14,37 milhões de toneladas revisadas para maio. Pelo sim ou pelo não, de janeiro a julho, a exportação de soja do Brasil foi estimada em 74,7 milhões de toneladas. (cf. Cargonave).

Por sua vez, segundo a Anec, os embarques de farelo de soja ficariam em 2,25 milhões de toneladas neste mês, ou seja, acima dos 2,07 milhões de toneladas exportados há um ano.

Fonte: Aline Merladete | Agrolink

{module Leia Também}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.