Como foram as exportações do agro?


Imagem: Pixabay

A Secretaria de Comércio Exterior (Secex) divulgou as exportações do agronegócio de dezembro/21 que somaram USD 9,9 bilhões, aumento de 18% em comparação ao mês anterior. Destaca-se a alta do valor frente aos dois meses anteriores. Assim, a receita obtida no mesmo mês é 35,6% maior em relação ao mesmo período do ano de 2020. No acumulado de 2021, o agronegócio totalizou USD 120,8 bilhões em exportações, 19,8% acima do total de 2020 e o maior valor anual já registrado.

No complexo soja, destaque para o óleo de soja que em 2021 teve o volume de 1,5 milhão de toneladas embarcadas, 69,3% maior em relação ao total de 2020. Quanto à soja em grãos, o volume exportado foi 3,8% maior versus 2020, totalizando 86,1 milhões de toneladas. Para o farelo de soja, as vendas externas acumularam 17,4 milhões de toneladas, volume 2,6% maior em relação a 2020. Assim, no ano de 2021, as exportações dos três principais produtos do complexo somaram USD 48,1 bilhões, aumento de 37,3% em relação ao total de 2020.

Na parte de proteínas animais, a carne bovina in natura registrou novamente queda no volume exportado em dezembro/21 contra dezembro/2020, diminuição de 11,0%. Entretanto, destaca-se a recuperação no total exportado no último mês em comparação à novembro de 2021, o que representou 126,9 mil toneladas, valor 56,3% maior. Essa melhora pode ser explicada pela normalização do fluxo de compras de carne bovina por parte dos chineses a partir do dia 15.

Assim, no ano de 2021, o volume de carne bovina in natura exportada foi 9,5% menor do que em 2020, totalizando 1,56 milhão de toneladas, justificadas pelo bloqueio chinês entre 4/set e 15/dez. Destaques para as carnes suína e de frango in natura, as quais registraram aumentos de 12,7% e 8,3%, respectivamente, nos volumes anuais exportados versus 2020. Sendo que para a carne suína in natura as vendas externas totalizaram 1 milhão de toneladas e para a carne de frango in natura 4,4 milhões de toneladas.

{module Form RD}

No que se diz respeito aos preços em dólares, para as proteínas animais, destaca-se os ganhos nas cotações anuais frente a 2020 da carne de frango in natura (25,3%) e carne suína in natura (16,8%). Para a carne bovina in natura, mesmo com a redução do volume, os preços em 2021foram 7,0% maiores em relação a 2020. No complexo sucroenergético, os três principais produtos registraram quedas nos volumes exportados, no comparativo anual. Para o etanol, o volume exportado foi de 1,6 milhão de toneladas, queda de 26,8% frente a 2020. Já o açúcar refinado registrou 3,26 milhões de toneladas embarcadas em 2021, redução de 17,6% contra 2020.

Quanto ao açúcar bruto, o volume de vendas externas foi de 23,9 milhões de toneladas, valor 10,6% menor contra o ano anterior. No mês de dezembro/21, os 157,8 mil m³ exportados de etanol resultaram em um aumento expressivo de 85,3% versus novembro/21.

Para o milho, o volume exportado no ano de 2021 foi de 20,4 milhões de toneladas, valor 41,1% menor em relação ao volume de 2020. Essa redução pode ser justificada pela quebra da safrinha. Apesar da redução do volume, o preços em dólar para o cereal apresentou aumento de 20,6% no ano de 2021 e 23,4% no embarcado em dezembro/2021, em comparação com os mesmos períodos de 2020. Em relação ao algodão, o total embarcado no ano foi de 2,1 milhões de toneladas, redução de 3,3% contra 2020.

Pensando agora nos portos, houve uma diminuição de 2% do volume exportado pelo porto de Santos (SP) em 2021 contra o total embarcado em 2020. O mesmo vale para o porto de Paranaguá (PR), outra unidade expressiva nas exportações brasileiras, onde houve diminuição de 1%. Destaque para o aumento da participação dos portos de Rio Grande (RS) em 3% e de São Luís (MA) com 1% a mais do que o ano anterior.

Quando segmentado entre os principais volumes exportados por commodity (soja, milho, farelo e açúcar), a participação entre os portos do Arco Sul e Arco Norte destaca-se a mudança do fluxo logístico do milho. O cereal aumentou 7 pontos percentuais no ano de 2021 na participação do Arco Norte, somando 48% nesses portos, enquanto no Arco Sul a concentração foi de 52%. Já os outros produtos mencionados não tiveram mudanças estruturais no fluxo entre as duas regiões dos portos.

análise da Consultoria Agro Itaú.

Por: Aline Merladete | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.