Como vai a safra de milho pelo país


Imagem: Pixabay


Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou em seu Boletim de Monitoramento Agrícola referente a abril, no acumulado de chuva registrado entre os dias 1 e 21 de abril observa-se que as precipitações ocorreram, de forma mais significativa, na região Norte do país. Abrangendo, também, o Maranhão e parte do Mato Grosso, onde as lavouras de algodão e milho segunda safra foram favorecidas. Os menores índices de precipitação ocorreram no Mato Grosso do Sul, em partes de São Paulo e do Paraná, restringindo principalmente as lavouras de feijão e milho segunda safra em estádios reprodutivos. Em contrapartida, as poucas chuvas favoreceram o avanço na colheita da soja e do milho primeira safra.

{module Form RD}

A média diária do armazenamento hídrico entre os dias 1 e 21 de abril ficou abaixo do necessário para o pleno desenvolvimento das lavouras, que se encontra atrasado, em relação a safra anterior, nos estados acima. Esse atraso, principalmente do milho segunda safra, ainda é reflexo do calendário de plantio e colheita da soja postergado pela demora das chuvas no início dessa safra. 

Por meio dos mapas de armazenamento o boletim identifica que a cada intervalo de sete dias, a umidade no solo foi diminuindo ao longo do período do monitoramento. No entanto, o impacto no desenvolvimento das lavouras ainda deve mensurado, pois pode haver recuperação em função do estádio em que a maioria das lavouras se encontram.

No panorama da primeira safra a colheita avança nos estados produtores. 

Goiás: Colheita começou durante as últimas semanas e se intensificou bastante, chegando a cerca de 60% da área total colhida até o segundo decêndio de abril. As produtividades obtidas têm sido satisfatórias, porém, a redução na área plantada impactou nas previsões da safra, devendo apresentar uma produção menor do que a prevista nos primeiros levantamentos da safra 2019/20.

Minas Gerais: Colheita atingindo 3/4 da área total semeada, com o restante das lavouras já em fase de maturação. Previsão é de aumento na produção final em comparação à 2019/20, particularmente, pelo acréscimo de área plantada.

São Paulo: Restam poucas áreas a serem colhidas no estado e estima-se que a produção será menor em relação à safra anterior. Houve redução na área plantada nessa temporada, impactando também o resultado inicialmente estimado.

Paraná: Há um atraso no ciclo da cultura em comparação à média histórica da região. A estiagem ocorrida no início da safra postergou o ciclo de semeadura. Atualmente, a colheita está em fase final, ocorrendo de forma intensa, favorecida, inclusive, pelo clima seco registrado recentemente. De modo geral, mesmo com aumento na área plantada nessa temporada, estima-se uma redução na produção final, em relação a 2019/20, devido às oscilações climáticas ao longo do desenvolvimento das lavouras.

Santa Catarina: Colheita em fase final, restando poucas áreas a serem colhidas no estado. A estiagem ocorrida entre setembro e outubro de 2020, além da incidência elevada de ataques de cigarrinhas em algumas regiões reduziram o potencial produtivo da cultura. Dessa forma, mesmo com aumento na área semeada, a produção ficará abaixo da safra passada.

Rio Grande do Sul: As operações de colheita avançaram, mas em ritmo menos intenso, devido à priorização dos esforços para colheita da soja. Ainda assim, cerca de 77% da área total plantada com o milho no estado já haviam sido colhidas até a terceira semana de abril. Lavouras que foram semeadas mais cedo, especialmente no noroeste do estado, foram mais prejudicadas pela estiagem no início do ciclo e apresentaram perdas consideráveis. No geral, a produtividade média está superior à temporada anterior, 2019/2020, mas inferior à safra 2018/1019, considerada safra normal para o estado.

Bahia: Operações de colheita estão em andamento. No Centro Sul e Centro Norte do estado, o desenvolvimento das lavouras foi prejudicado devido ao déficit hídrico que perdurou até o final de janeiro e com isso, os registros são de perdas significativas nas produtividades. Já no Extremo Oeste, as condições climáticas foram melhores, rendendo lavouras mais vigorosas. No geral, a expectativa é de produtividade média estadual inferior à registrada em 2019/20, mas devido ao incremente de área, estimase uma produção superior

Já na safrinha ou segunda safra há impactos do clima e ataques de pragas como a cigarrinha. Ainda não é possível mensurar as perdas pelo atraso na janela de plantio nos dois maiores produtores que são Mato Grosso e Paraná. Confira o panorama:

Mato Grosso: Semeadura concluída, confirmando a estimativa de crescimento na área plantada em comparação à safra anterior. Quase 40% das lavouras foram implantadas fora do período considerado ideal para o plantio da cultura. Assim, surge a preocupação com as condições climáticas durante o ciclo, principalmente em relação a incidência de chuvas, já que essa época é costumeiramente de baixas precipitações no Centro-Oeste.

Paraná: Semeadura está praticamente finalizada. Até o momento, a maior parte das lavouras já implantadas está em condições regulares e boas, entretanto, a manutenção de baixas umidades nos solos pode impactar o desenvolvimento da cultura.

Mato Grosso do Sul: Plantio finalizado, porém em condições desfavoráveis, especialmente em relação à disponibilidade hídrica nos solos. A escassez de chuvas tem preocupado os produtores, tanto para emergência das plantas quanto para o seu desenvolvimento.

Por: Eliza Maliszewski | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.