[Artigo] COVID-19: Impactos da pandemia no mercado de óleo de girassol


Quando falamos de óleo de girassol, as principais influências na flutuação dos preços mundiais são a safra do Black Sea, visto que a Ucrânia e a Rússia são os maiores produtores de girassol do mundo, a safra de palma, que é a commodity mais produzida no mundo e interfere na precificação dos óleos especiais, e os preços dos combustíveis.

Considerando estes indicadores, vimos no último quarter de 2019 uma forte safra de girassol aparecer, e com isso, preços mais agressivos, em conjunto com a grande queda do petróleo que intensificou o declínio da palma, e como consequência, queda nos preços dos óleos especiais. Neste cenário, a China e a Europa fazem compras a longo prazo, pegando uma importante fatia da recém-começada safra.

Com a chegada da COVID-19, os principais portos, receosos a propagação da doença, dificultam a circulação de containers. Neste momento, encontramos uma grande dificuldade em conseguir disponibilidade de espaço nos navios, devido a rigorosa fiscalização. Isto gera uma flutuação de preços mais forte, atrasando a rápida resposta que o mercado de commodities necessita. 

A Argentina é o maior fornecedor de girassol da América Latina, e abastece muitos mercados em outros continentes que compram grandes quantidades, como o norte da África e a Malásia. Em março, a América Latina se viu afetada pela pandemia e com isso, os governos ameaçaram bloquear portos da Argentina, logo após o Chile e o Paraguai terem feito tal bloqueio. Esse cenário dá uma oportunidade única à Rússia e a Ucrânia, que recebem grandes demandas de compradores do mercado Argentino, se fizeram novas programações a longo prazo, durante as duas semanas que Argentina se manteve com incertezas. Isso aqueceu o mercado local argentino, mas os deixou fora de grandes operações internacionais de girassol. 

Ainda não houveram soluções para os impactos logísticos causados pela pandemia, a Rússia está sendo o país mais atingido, já que o governo não está permitindo a entrada de produtos vindos de países afetados pela COVID-19. Isto é, não possuem circulação suficiente de containers de entrada no país para poder exportar seus produtos, tendo como resultado, o atraso de todas as operações já fechadas. Este cenário, fez com que o óleo de girassol não sofresse tanta volatilidade nos preços, como vemos hoje nos mercados de soja e palma.

Em maio, percebemos o mercado bastante receoso já no início de mês, e com pouca movimentação. A Ucrânia com pouco volume dessa safra a ser comercializado e a Rússia com indisponibilidade de frete. Os preços devem se manter em alta, com dificuldade de atender em volume. Talvez a Argentina possa pegar a oportunidade tirada por seus companheiros anteriormente. É esperado que nas próximas semanas a América Latina atinja o pico da Covid-19, fazendo com que as plantas e comércios permaneçam fechados, e sigamos caminhando com passos lentos. 

Por Laura Pereira da Aboissa

LEIA TAMBÉM


{module Form RD}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.