Crise do leite pode ter acabado

Alcançando a marca de US$ 0,38 nos últimos meses, o preço do leite no mercado internacional dá mostras de que superou seu ciclo de crise. Especialistas apontam ainda que a tonelada do leite em pó (que chegou a ser vendida por US$ 2 mil no pior momento de 2016), já está valendo acima de US$ 3,1 mil. 

O analista da Embrapa Gado de Leite, Lorildo Stock, diz que as crises no mercado global de lácteos são cíclicas. “Geralmente ocorre um ano ruim para cada dois anos positivos, mas a crise que superamos durou 30 meses”, conta o pesquisador, que acrescenta: “até então não se havia registrado um período negativo que durasse tanto tempo”.

De acordo com o pesquisador do IBGE João César Rezende, no Brasil a crise foi motivada pela crise ecônomica e pelo alto custo dos insumos, tendo como consequência uma retração de 3,7% da produção no ano passado em comparação com 2015. “A produção brasileira de leite decrescer é um fato inédito”, ressalta ele. 

Esse cenário doméstico, aliado a preços atraentes do mercado internacional estimularam a importação de lácteos, e o Brasil acabou importando 8% do seu consumo. Agora, porém, os preços externos estão em alta – o que está estimulando a produção interna e pode levar o setor a voltar a crescer a taxas de 3% a 4% neste ano, segundo o pesquisador da Embrapa Gado de Leite Glauco Carvalho.

 

Os pesquisadores da Embrapa projetam um novo “desenho” do setor no País, com maior profissionalização da atividade. sistemas de produção ganhando escala, novos modelos de gestão e a adoção de tecnologias em genética, nutrição, qualidade do leite etc. O próximo passo, na visão de especialistas, seria conquistar mercado externo.

 

 

Na visão de Carvalho, para ser exportador, o país tem que ter preços alinhados com o mercado internacional. “Na média, nosso preço permanece mais alto do que lá fora. Enquanto em julho pagava-se lá fora US$ 0,38 por litro, aqui dentro o produto era vendido ao equivalente a US$ 0,43”, aponta.

O pesquisador explica que isso se deve à proteção de mercado vigente no país, aliada a problemas de regularidade de oferta. Como solução, ele aponta uma maior especialização do rebanho, com descarte de animais de pior genética. Lembra ainda que o Brasil possui o menor custo de produção de milho e soja do mundo, além de pastagens de alta qualidade, o que dá boas perspectivas para o leite no País.

Fonte: Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.