Dependência da China preocupa suinocultores de SC

Os embargos impostos pela China e o endurecimento nas regras sanitárias às empresas exportadoras preocupam os suinocultores de Santa Catarina, pois certa de 60% do envio de carne suína catarinense é destinado ao país asiático. “Pelo menos 55% da produção brasileira também vai para a China. A suinocultura está dependente deste mercado, o que é um grande risco porque o nosso consumo interno está retraído. Se tivermos qualquer problema com os chineses, não conseguiremos absorver o excedente de produção. E quem vai pagar a conta mais uma vez são os produtores”, enfatiza Losivanio Luiz de Lorenzi, presidente da ACCS.

Mais uma vez o presidente da ACCS alerta para o crescimento desordenado da suinocultura no país com o objetivo de atender a demanda internacional – que corresponde por 20% da produção nacional. “Precisamos manter a produção estável, melhorando a produtividade com foco na redução dos custos. Muitas empresas estão crescendo desordenadamente visando as exportações, que é um mercado arriscado”.

Das 181 mil toneladas de carne suína exportadas por Santa Catarina em 2020, 108 mil tiveram a China como destino. “Precisamos diversificar o mercado internacional e melhorar o consumo interno. Também precisamos ter um controle da produção de suínos, embora muitos acham que isso seja uma utopia”, avalia Losivanio.

OS EMBARGOS

O governo brasileiro teme mais suspensões de frigoríficos pela China, além das três unidades que já tiveram as exportações barradas por Pequim diante do endurecimento das restrições sanitárias à importação de alimentos no país.

Segundo apuração da mídia nacional, mais duas plantas devem ser suspensas pela China, que ampliou o número de pedidos de informações à Brasília sobre os casos de contaminação de funcionários por Covid-19. Além de estabelecimentos de carnes bovina e de frango, os chineses também fizeram questionamentos sobre plantas de abate de suínos de empresas de todos os portes.

Antes das primeiras suspensões, 102 frigoríficos do Brasil estavam habilitados a exportar à China, principal destino dos embarques nacionais. Ainda que o número de plantas suspensas seja pequeno até o momento, Brasília busca entender quais os critérios técnicos que vêm sendo usados por Pequim para embargar as plantas, mesmo que de forma temporária.

Na avaliação do presidente da ACCS, Losivanio Luiz de Lorenzi, todas as empresas que exportam estão adotando medidas rígidas para garantir a produção livre do coronavírus. “Não tivemos problemas graves dentro das empresas. No meio rural não houve registro de propriedades interditadas por causa da Covid-19”.

Fonte: Suinocultura Industrial

LEIA TAMBÉM:

{module 441}
{module 442}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.