Desafios climáticos e geopolíticos moldam o cenário global

Desafios climáticos e geopolíticos moldam o cenário global
Imagem: Canva

À medida que 2024 se inicia, o mercado de óleo de palma encontra-se em uma encruzilhada de desafios e expectativas. Impulsionado por uma série de fatores climáticos, geopolíticos e econômicos, este mercado essencial revela uma paisagem complexa e em constante evolução.

O fenômeno El Niño destacou-se como um protagonista notável no ano de 2023, provocando mudanças climáticas ao redor do mundo. Contudo, no Sudeste Asiático, ele tende a elevar as temperaturas e reduzir as precipitações. Durante o período das monções, de outubro a março, a região enfrenta chuvas intensas e enchentes, o que impacta severamente a produção de palma. Além de aumentar a umidade na região, a colheita de palma é predominantemente manual. Esta situação é particularmente crítica em várias regiões asiáticas, onde a logística de transporte dos cachos de palma para as plantas extratoras enfrenta obstáculos significativos. Ao mesmo tempo, no Brasil, a seca no Pará causou uma redução de cerca de 10% na produção nacional, elevando os preços para aproximadamente 6200 reais a tonelada, CIF São Paulo com 12% de ICMS.

Estabilidade no mercado: Consumo moderado e perspectivas

No cenário global, a demanda por óleo de palma tem sido moderada. Países-chave como China, Índia, Paquistão, e alguns estados africanos e europeus, demonstram um consumo reduzido. Este fenômeno, juntamente com uma mudança nas políticas de compra pós-pandemia, onde as empresas optam por manter estoques reduzidos e focar em aquisições de curto prazo, tem mantido o mercado relativamente equilibrado, sem grandes flutuações de preço.

Olhando para os preços, a palma refinada está oscilando entre 800 e 850 dólares, FOB Malásia. Essa variação de preço reflete as nuances do mercado global, influenciadas tanto por fatores internos quanto externos. No entanto, espera-se uma certa estabilidade devido ao bom desempenho esperado da soja, o segundo maior produto no mercado de óleos e gorduras, com uma safra promissora em 2024, especialmente na Argentina.

Impacto geopolítico e climático no mercado global

O impacto dos fatores geopolíticos também não podem ser ignorados. Ademais, os conflitos no Oriente Médio e as tensões entre Rússia e Ucrânia têm repercussões diretas nos preços do petróleo, afetando indiretamente o mercado de biocombustíveis e óleos vegetais. Recentemente, um aumento nos preços do petróleo sinaliza potenciais ajustes nos preços dos óleos vegetais.

No Brasil, a situação no Pará e a incerteza da demanda global mantêm os clientes cautelosos, evitando riscos e mantendo o mercado lento nos primeiros dias do ano. Internacionalmente, antecipa-se um aumento na demanda a partir de fevereiro, especialmente no hemisfério norte, onde o consumo em bares e restaurantes tende a crescer com o fim do inverno. Tal aumento é esperado para impulsionar tanto o uso de combustível quanto a demanda por óleos vegetais.

A Índia, um dos maiores importadores de óleo de palma, realizou compras significativas ao longo do último ano. A situação climática em 2024 será um fator crucial para as futuras movimentações do mercado indiano, que atualmente mantém altos estoques e aguarda oportunidades de preço favoráveis. Paralelamente, a Indonésia, o maior produtor mundial de palma, paralelamente aumenta seu consumo, direcionando-o para biocombustíveis (B35) e suprindo as necessidades alimentares de sua vasta população, que soma aproximadamente 275 milhões de habitantes.

Recuperação gradual e desafios futuros no mercado

A situação da produção de palma no Pará está se recuperando lentamente com o retorno das chuvas nas últimas semanas. Contudo, ainda é cedo para determinar o impacto total dessas mudanças climáticas na produção nacional em 2024. Atualmente, o Pará se destaca como o principal produtor de óleo de palma no Brasil, com uma contribuição menor vinda da Bahia.

Em suma, o mercado de óleo de palma, apesar das incertezas e dos desafios atuais, mantém-se estável, com expectativas de um leve aumento nos preços. Além disso, fatores como as condições climáticas, as políticas globais e a demanda dos principais consumidores continuarão sendo fatores-chave na determinação das tendências de mercado.

Um dos aspectos cruciais será o acompanhamento do crescimento global da oferta e demanda de óleos e gorduras. A demanda tem aumentado rapidamente, impulsionada pelas políticas de biocombustíveis, enquanto a oferta enfrenta desafios devido a fenômenos climáticos e à redução das áreas.

Para acompanhar as atualizações do mercado, entre em contato com nossos especialistas.

Entrevista com Thiago Prianti | Especialista em óleo de palma
Por Vanessa Ferreira

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.