El Niño deve aumentar volume de chuvas nos próximos meses na região Sul

El Niño deve aumentar volume de chuvas nos próximos meses na região Sul
Imagem: Adobe Stock

Um sistema frontal com características quase estacionárias foi o principal responsável pelas precipitações históricas que desencadearam as inundações no centro-norte do Rio Grande do Sul na semana passada. Essa é a explicação para os principais fatores que contribuíram para o desastre ocorrido no estado que atingiu 100 municípios.

Para se ter ideia da dimensão, ademais, choveu em cinco dias o dobro do historicamente registrado para todo o mês de setembro.

A frente provocou as primeiras precipitações em 1o de setembro. Posteriormente, entre os dias 2 e 3, quando estacionou sobre o Rio Grande do Sul, manteve chuvas constantes. Em 4 de setembro, um sistema de baixa pressão intensificou a chuva, absorvendo umidade da superfície e elevando-a a altas altitudes.

Decorrente dos volumes que caíram entre os dias 01 e 05, várias bacias hidrográficas registraram inundações bruscas. O rio Taquari subiu rápido na cabeceira e na parte do terço médio, e propagou uma onda de cheia ao longo do seu curso. Dados do Serviço Geológico do Brasil, na nota técnica do Cemaden de quinta-feira (14), revelam rápido aumento entre cotas de inundação.

Assim, para o coordenador-geral de Operações e Modelagem do Cemaden, Marcelo Seluchi, uma das possíveis explicações é o El Niño. O fenômeno aquece de modo anormal as águas em até 100 metros de profundidade do Oceano Pacífico Equatorial Central até a costa do Peru e do Equador. Iniciado em meados de maio, o fenômeno provoca alterações nos ventos e na precipitação, modificando a circulação atmosférica planetária.

Impacto do El Niño nas frentes frias e precipitações na região Sul do Brasil

Seluchi alerta que o El Niño ainda não atingiu a intensidade máxima e não descarta que situações simulares possam se repetir nos próximos meses. A previsão é de chuvas acima da média para o Sul do Brasil, ao menos até novembro.

Um dos efeitos desse fenômeno na América do Sul é o aumento das chuvas no Sul do Brasil e, além disso, de seca nas regiões Norte e Nordeste. O fenômeno altera o comportamento dos sistemas frontais, que são regiões de encontro de massas de ar quentes e frias e que estão associadas à ocorrência de chuva. Durante o El Niño, as frentes frias se posicionam com maior frequência sobre a região Sul do Brasil e, por conseguinte, as precipitações se tornam mais assíduas e volumosas.

“Em anos de El Niño, as frentes frias param mais sobre a região Sul”, afirma Seluchi. Ele explica que isso não é um padrão para todas as frentes frias, mas há uma tendência de ocorrer com mais frequência.

Para compreender por que as frentes frias ‘estacionam’ sobre a região, é importante entender outra alteração provocada pelo El Niño. Primeiramente, o aumento das temperaturas nas proximidades do Equador amplia a deferência térmica entre as latitudes equatoriais e polares. Em consequência, isso traz uma maior intensidade e estabilidade dos “jatos”, que são canais de ventos intensos que ocorrem na alta atmosfera. Com isto, esses “jatos” passam a controlar o comportamento das frentes frias de maneira mais significativa. Assim, durante anos, esses jatos tendem a se posicionar sobre a região Sul, motivando a alta frequência de passagens frontais sobre essa região e um maior acumulado pluviométrico.

Fonte: Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.