El Niño deve causar redução na safra de arroz

El Niño deve causar redução na safra de arroz
Imagem: Pixabay

A Safra de arroz 2023/2024, em pleno processo de semeadura, foi destaque na reunião híbrida da Câmara Setorial do arroz, promovida pela Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi) nesta quinta-feira (30/11). A diretora técnica do Instituto Rio Grandense do arroz (Irga), Flávia Tomita, alertou sobre os desafios impostos pelo El Niño no Estado, afetando o plantio do cereal com atrasos devido às chuvas. Com 77% da área semeada, comparado aos 90% do ano anterior, a incerteza paira sobre as áreas submersas, aguardando avaliação quanto a possíveis apodrecimentos e a decisão dos produtores sobre o ressemeio.

De acordo com as informações divulgadas pela Seapi, o El Niño, além de trazer chuvas intensas, reduz a luminosidade durante a germinação e desenvolvimento das lavouras, apresentando mais um desafio. Contudo, estimativas de produção ainda são prematuras, com a Metade Sul, uma zona orizícola expressiva, possivelmente mantendo uma produtividade satisfatória, conforme Tomita ponderou.

Redução esperada na área de cultivo de arroz

Na Expointer deste ano, estimou-se que os hectares cultivados com arroz para a safra 2023/2024 seriam 902 mil. O cultivo de soja em áreas de arroz estava previsto em 500 mil hectares. No entanto, a tendência agora é de redução.

Isso é influenciado, portanto, pelo aumento do preço do arroz e pela diminuição do preço da soja. Esses fatores, somados aos desafios provocados pelo El Niño, contribuem para a mudança na projeção.

O presidente da Federarroz, Alexandre Velho, apresentou um estudo indicando a recomendação de manutenção da área cultivada de arroz. Segundo o estudo, a sugestão é limitar a área a 840 mil hectares no Estado.

Os anos recentes registraram baixa rentabilidade no setor arrozeiro. Isso evidenciou a urgência de ajustes na área cultivada. Nos últimos dois anos, os custos de produção aumentaram significativamente, alcançando um aumento de 60%. Alexandre Velho explica que, diante dessa realidade, os produtores buscaram alternativas na soja, no milho e na pecuária para diversificar e evitar prejuízos.

O presidente destaca, enfim, que este será o primeiro El Niño. Haverá uma área significativa de cultivo de arroz em resteva de soja. Esse sistema pode ser uma preparação para eventos climáticos extremos.. As áreas serão acompanhadas de perto para avaliar sua resiliência diante do evento climático.

Fonte: Aline Merladete | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários. *Estamos de férias coletivas e voltaremos às atividades dia 04/01/2024. Boas festas!

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.