El Niño deve “devastar economia mundial”, diz agência



Imagem: Pixabay


A volta do fenômeno climático El Niño após quase quatro anos deve El Niño deve trazer “devastação sem precedentes para economia mundial”, aponta a Bloomberg Economics. De acordo com a modelagem da agência internacional, a mudança da fase mais fria do La Niña para uma fase de aquecimento pode “gerar o caos, principalmente nas economias emergentes que crescem rapidamente”.

A previsão vem em um momento no qual a economia global já está frágil, ainda lutando para se recuperar da Covid-19 e a guerra da Rússia na Ucrânia. “As redes elétricas sofrem tensões e os apagões se tornam mais frequentes. O calor extremo cria emergências de saúde pública, enquanto a seca aumenta os riscos de incêndio. As colheitas estragam, as estradas são inundadas e as casas são destruídas”, aponta a Bloomberg.

{module Form RD}

Os analistas lembram que os anos de El Niño anteriores resultaram em um impacto marcante na inflação global, acrescentando 3,9 pontos percentuais aos preços das commodities não energéticas e 3,5 pontos percentuais ao petróleo. O fenômeno também afetou o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), principalmente no Brasil, na Austrália, na Índia e em outros países vulneráveis.

“Com o mundo lutando contra a inflação alta e o risco de recessão, o El Niño chega exatamente no momento errado. Os bancos centrais têm poder mais limitado”, disse Bhargavi Sakthivel, economista da Bloomberg Economics. Segundo ele, enquanto as intervenções políticas tendem a manipular a demanda, o El Niño normalmente afeta a oferta.

De acordo com a agência, na Índia, por exemplo, a “redução das monções pode afetar as colheitas de arroz, algodão, milho e soja. Os Estados Unidos voltarão a ver tempestades de inverno mortais, embora haja uma queda geral no número de furacões. Partes do oeste e do sul da África poderão ser atingidas pela seca, afetando a produção de cacau e milho”.

“A Austrália pode sofrer com secas severas e incêndios florestais, o que prejudicaria a produção de trigo e outras culturas. No Brasil e na Colômbia, a vilã será a seca, que pode afetar a produção de café, mas o contrário acontece no Peru: enchentes generalizadas e redução na pesca de anchovas. Na China, as temperaturas já estão matando o gado e sobrecarregando as redes de energi”, acrescenta.

“Quando ocorre um El Niño além da tendência de aquecimento de longo prazo, é como um choque duplo”, disse Katharine Hayhoe, cientista-chefe da The Nature Conservancy. Os riscos são mais graves nos trópicos e no Hemisfério Sul. O El Niño pode cortar quase meio ponto percentual do crescimento anual do PIB na Índia e na Argentina, de acordo com o modelo da Bloomberg Economics.

O aumento geral das temperaturas amplifica os efeitos dos fenômenos climáticos. Os últimos três anos de La Niña – 2020 a 2023 – foram mais quentes do que todos os anos de El Niño antes de 2015. A Organização Meteorológica Mundial calcula que há uma chance de 98% de que a combinação do acúmulo de gases de efeito estufa e o retorno do El Niño fará com que o próximo período de cinco anos seja o mais quente até agora, levando as temperaturas globais a um território desconhecido.

“O El Niño só vai piorar os impactos da mudança climática que já estamos vivenciando – ondas de calor mais quentes, secas mais severas e incêndios florestais mais extremos”, disse Friederike Otto, professora sênior do Grantham Institute for Climate Change and the Environment.

Fonte: Leonardo Gottems | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários. *Estamos de férias coletivas e voltaremos às atividades dia 04/01/2024. Boas festas!

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.