Em poucos dias, paranaenses já semearam 20 “Curitibas” de soja

Desta vez funcionou: os produtores paranaenses que botaram fé na previsão meteorológica e lançaram as sementes de soja “na poeira”, dias antes da chegada da chuva do último final de semana, respiram aliviados. A chuva veio de maneira uniforme e em boa quantidade em todo o estado, o que deve favorecer a germinação.

 

O último levantamento do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agricultura do Paraná, divulgado nesta semana (03/10), mas que traz informações da semana anterior – antes, portanto, da chegada da chuva – mostra que a arrancada do plantio da soja avançou em poucos dias de 2% para 16% da área total prevista. Os 867 mil hectares semeados correspondem a 20 vezes o território da cidade de Curitiba, que é de 43,5 mil hectares.

“Com certeza, em nosso próximo levantamento, essa área plantada vai aumentar bastante. Choveu e houve uma trégua com tempo seco, o que é bom para o maquinário entrar na lavoura”, diz o economista Marcelo Garrido, do Deral.

Em relação ao milho, que neste ciclo deve cobrir uma área 16 vezes menor do que a da soja, o plantio já alcançou 114 mil hectares, ou 33% dos 343 mil hectares planejados. Quanto ao desenvolvimento das plantas, 64% têm boa qualidade, 30% média qualidade e 5% baixa qualidade. Na cultura do feijão 1ª safra, foram cultivados 65,4 mil hectares, ou 33% da área total. A maior parte das lavouras, 52%, está em boas condições, 44% em condições médias e apenas 4% têm más condições.

 

 

 

“As culturas de soja, milho e feijão da nova safra escaparam por pouco dos efeitos da seca. Não deve haver maiores problemas. O reflexo principal foi uma frustração de planejamento, porque muitos produtores querem plantar soja antes para poder também plantar milho antes, na segunda safra”, aponta Garrido.

Da safra anterior, o trigo já foi colhido em 71% das áreas, o que equivale a 681 mil dos 962 mil hectares cultivados. O levantamento semanal do Deral mostra que 22% das lavouras remanescentes apresentam boas condições, 41% médias condições e 37% más condições. Essa perda de qualidade, segundo Marcelo Garrido, é reflexo, principalmente, “da seca entre junho e julho, e de alguma coisa que foi atingida pela geada”. O trigo ainda não colhido está nas fases de frutificação (45%), maturação (42%) e floração (14%).

 

 

Nas próximas semanas, a previsão é de normalidade climatológica, ou seja, alternância de dias de chuva e tempo seco, o que deve favorecer o desenvolvimento das lavouras.

Fonte: Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários. *Estamos de férias coletivas e voltaremos às atividades dia 04/01/2024. Boas festas!

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.