Em revés para Petrobras, Bolsonaro veta novos combustíveis para programa de biodiesel


Imagem: Pixabay


Despacho do presidente Jair Bolsonaro publicado nesta sexta-feira vetou admissão do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) para que outras rotas tecnológicas de combustíveis possam participar do programa de mistura obrigatória de biodiesel, conforme publicação no Diário Oficial.

A autorização para que outras rotas tecnológicas, como o diesel R5 da Petrobras — um produto que tem 95% de diesel e 5% de óleo vegetal–, pudessem participar da mistura de biodiesel gerou nesta semana protestos no setor de biodiesel, que recorreu à equipe de transição e à Frente Parlamentar Mista do Biodiesel (FPBio) pedindo o cancelamento da decisão do CNPE.

Por outro lado, a publicação do despacho no Diário Oficial da União confirmou outra decisão do CNPE sobre a fixação da mistura obrigatória de biodiesel de 10% para o primeiro trimestre de 2023.

{module Form RD}

Essa decisão também foi contestada pelo setor, que quer a retomada do cronograma do programa de biodiesel, que implicaria em mistura de 14% em janeiro e fevereiro e 15% a partir de março.

Segundo o diretor superintendente da Associação dos Produtores de Biocombustíveis do Brasil (Aprobio), Julio Cesar Minelli, a decisão de Bolsonaro demonstra que ele entendeu que a admissão de novas rotas tecnológicas não poderia ser tomada “de forma brusca”.

“Portanto, eles deixaram o assunto para uma melhor avaliação do setor. Nós continuamos dizendo que o diesel coprocessado é um greenwashing. Não é um biocombustível. É um produto que em nenhum lugar do mundo é considerado biocombustível”, disse Minelli.

Ele atribui a decisão do presidente à interlocução feita pelos deputados federais Pedro Lupion, presidente da FPBio, e Ricardo Barros, líder do governo na Câmara.

Em nota, o Ministério de Minas e Energia, que preside o CNPE, disse que as medidas propostas não foram aprovadas pelo presidente por apresentam impactos de médio e longo prazos e que “há tempo suficiente para a continuidade dos estudos que sustentem o seu mérito”.

Procurada pela Reuters para comentar a decisão, a Petrobras afirmou que reconhece os trabalhos do CNPE conduzidos com base técnica que fundamentaram a resolução que considerou positivo contemplar diferentes rotas tecnológicas de biodiesel para atender aos objetivos de descarbonização.

A petroleira disse, ainda, que o coprocessamento é amplamente utilizado na Europa e nos Estados Unidos, “por se tratar da forma mais rápida e de baixo investimento para se introduzir combustíveis de baixo carbono no mercado”.

Por fim, afirmou que o novo combustível “viabilizaria a utilização de teores mais elevados de renováveis nos novos motores a diesel” sem comprometer qualidade e desempenho e possibilitando o aumento da competitividade na oferta de biocombustíveis no Brasil.

Fonte: Roberto Samora e Rafaella Barros | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.