Embarcações no Rio Paraná são obrigadas a reduzir ainda mais as cargas devido ao baixo nível das águas


Imagem: Pixabay


Os graneleiros da Argentina podem ser forçados a reduzir as cargas em 40% até o final de setembro ou início de outubro devido aos baixos níveis de água no rio Paraná, disse o gerente geral da Câmara de Porto e Atividade Marítima ao AgriCensus.

{module Form RD}

Se as condições do rio continuassem a se deteriorar como esperado, os navios Handymax – que normalmente transportam 35.000-40.000 toneladas – provavelmente carregariam 17.000-18.000 toneladas a menos devido aos baixos níveis da água naquela época, Guillermo Wade foi citado como tendo dito na declaração de 28 de julho.

Para os navios Panamax, com capacidade de até 70.000 toneladas, os navios poderiam carregar até 21.000 toneladas a menos de volume, disse ele.

Os graneleiros carregavam atualmente 21% menos grãos nos portos de Rosário devido aos baixos níveis de água, de acordo com Wade.

Os transportadores que não conseguiram completar os carregamentos de grãos nos portos de Rosário tiveram que se deslocar para os terminais de Necochea ou Bahia Blanca, no sul da província de Buenos Aires, ou para os portos do sul do Brasil para completar os carregamentos, gerando custos mais elevados para os armadores, diz o relatório.

Os baixos níveis de água no Paraná podem levar a perdas de US $ 315 milhões para o setor agroindustrial argentino entre março e agosto de 2021, segundo estudo da Rosario Grain Exchange (BCR).

No ano passado, o centro de exportação da Argentina em Rosário administrou 70% de todas as exportações de grãos, bem como 96% de todas as farinhas e 96% de todos os óleos vegetais, enquanto o Paraná foi a principal via navegável que liga o centro aos mercados de exportação globais, escreveu o AgriCensus.

Os níveis de água perto de Rosário estão atualmente em torno de 0,04m contra a média histórica de 3,22m para julho, de acordo com os últimos dados disponíveis do Instituto Nacional de Água da Argentina (INA), diz o relatório.

Esses níveis deveriam continuar diminuindo, sem melhorias nos níveis de água esperados para os próximos três meses com base nas previsões meteorológicas, de acordo com o INA.

Em 26 de julho, o governo argentino havia declarado estado de emergência hídrica com duração de 180 dias, segundo relatório anterior do AgriCensus , quando o governo estaria adotando medidas para mitigar a grave situação causada pelos baixos níveis de água do Paraná.

Este texto foi traduzido automaticamente do inglês.

Fonte: Oils & Fats Internacional (OFI)


Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.