Exportações do agronegócio são recordes, mas faturamento cai

O volume de produtos do agronegócio exportado pelo Brasil de janeiro a setembro deste ano cresceu 6% frente ao mesmo período de 2018, atingindo quantidade recorde, segundo dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Esse aumento esteve atrelado ao crescimento das vendas de carnes, milho, algodão, etanol e café.

O faturamento em dólar, no entanto, caiu 4%, somando US$ 72 bilhões de janeiro a setembro de 2019. Segundo pesquisadores do Cepea, esse resultado se deve à queda nos preços médios pagos pelos produtos do agronegócio embarcados. Em Real, o faturamento apresentou baixa ainda mais intensa, de 15%, o que se deve aos efeitos tanto da queda dos preços em dólar quanto da valorização da moeda brasileira.

PRODUTOS EXPORTADOS – Depois de registrarem altas expressivas em 2018, as vendas externas dos produtos do complexo da soja recuaram em 2019. Já o milho e as carnes têm registrado forte avanço nos embarques. No caso do cereal, a quantidade exportada de janeiro a setembro deste ano mais que dobrou frente ao mesmo período de 2018. Quanto às carnes, os aumentos nos valores foram de 9% para a bovina, de 12% para a suína e de 3% para aves. Ressalta-se que o incremento das vendas externas de carne tem sido influenciado pela crise sanitária na China, em decorrência do episódio da Peste Suína Africana (PSA).

DESTINO – A China se mantém como principal destino das exportações do agronegócio brasileiro, com participação de 32% do total vendido pelo setor, seguida por países da Zona do Euro (15%) e os Estados Unidos (7%). 

EXPECTATIVAS – Mesmo que o volume embarcado pelo agronegócio brasileiro continue em expansão no último trimestre, o faturamento de 2019 deve ser inferior ao obtido no ano passado, que, vale lembrar foi recorde. Isso porque a oferta mundial de produtos do agronegócio em patamares elevados tem pressionado para baixo os preços externos neste ano. 

No geral, a economia brasileira tem apresentado bons fundamentos macroeconômicos, com inflação na meta e redução nas taxas de juros. Vale lembrar que taxas de juros em níveis menores podem favorecer os investimentos na produção agrícola, o que, por sua vez, contribui para que a oferta brasileira de alimentos, fibras e energia continue em expansão. 

Source: Notícias Agrícolas

Facebook
twitter
LinkedIn

Aboissa supports

Stay up to date with news
and the best opportunities in
agribusiness – sign up now!

Asia

Saudi Arabia

Bangladesh

China

singapore

South Korea

United Arab Emirates

Philippines

India

Indonesia

Iraq

Jordan

Lebanon

Malaysia

Oman

qatar

Türkiye

Vietnam

Hong Kong

America

Argentina

Bolivia

Brazil

Canada

Chile

Colombia

Ecuador

U.S

Guatemala

british virgin islands

Mexico

Nicaragua

Panama

Paraguay

Peru

Uruguay

Suriname

Venezuela

Dominican Republic

Costa Rica

Africa

South Africa

Algeria

Cameroon

Costa do Marfim

Egypt

Liberia

Morocco

Sierra Leone

Sudan

Kenya

Tunisia

Mauricio Islands

Europe

Albania

Germany

Belgium

Bulgaria

Spain

Finland

France

England

Italy

Lithuania

Poland

Portugal

Russia

Türkiye

Serbia

Sweden

Switzerland

Ukraine

Cyprus

Estonia

Ireland

Romania

Oceania

Australia

New Zealand

Request a quote!

Fill out the form and get support for your business needs.
Our experts are ready to offer customized solutions.

*We are currently not working with intermediaries.

By providing my data, I agree with the Privacy Policy.