Você sabe de onde vem a erva-mate do seu chimarrão?

Você sabe de onde vem a erva-mate do seu chimarrão?
Você sabe de onde vem a erva-mate do seu chimarrão?
Um das principais tradições do gaúcho é o chimarrão. E a garantia de uma boa erva-mate pode ser conseguida com um produto certificado. A Emater/RS-Ascar certifica no Estado 12 marcas e outras quatro estão em processo de certificação.
As indústrias procuram os serviços da Emater/RS-Ascar porque buscam um meio de garantir a qualidade dos seus produtos frente aos consumidores. A certificação feita pela Instituição abrange práticas agrícolas, acompanhamento técnico, atividade de transporte, industrialização, gestão ambiental e da qualidade, além de aspectos relativos à segurança dos trabalhadores.
No Estado existem cinco polos de produção de erva-mate, que são o Vale doTaquari, o Alto Taquari, a região Planalto Missões, Alto Uruguai e Nordeste Riograndense. Segundo Antônio de Borba, engenheiro florestal da Emater/RS-Ascar, 60% da matéria-prima para a produção de erva no Estado vem do Alto Taquari, que é composto por Ilópolis, Arvorezinha, Putinga, entre outros municípios vizinhos.

Quem chega a São Mateus Do sul, há 120 km de Curitiba/PR, é recepcionado com a seguinte mensagem: “Seja bem-vindo à Terra da Erva-Mate”. Isso porque o município ostenta o título de primeiro do Brasil a ter o selo de Indicação de Procedência São Matheus. A conquista foi atribuída pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), na modalidade de Indicação Geográfica (IG). Isso significa que a erva-mate produzida no local tem características específicas graças ao meio geográfico, incluindo fatores naturais e humanos. O registro de IG permite delimitar uma área, restringindo o uso de seu nome aos produtores e prestadores de serviços da região. A área geográfica protegida está restrita aos municípios de Antônio Olinto, Mallet, Rebouças, Rio Azul, São Mateus do Sul e São João do Triunfo, no estado do Paraná.

 
A região de São Matheus é a principal responsável pela produção de erva-mate. São mais de 4 mil produtores, com produção de folha de 67 mil toneladas e rendimento médio de 7,5 kg/ha. 


Qualidade reconhecida

Hoje o Paraná possui sete produtos com registro de IG: a erva-mate de São Mateus do Sul, o café do Norte Pioneiro, a goiaba de Carlópolis, o mel do oeste do Paraná, o queijo de Witmarsun, a uva de Marialva e o mel de Ortigueira. Outras cinco já foram protocoladas e aguardam a confirmação por parte do INPI. O Paraná está entre os estados com o maior número de produtos certificados ou em processo de certificação de Indicação Geográfica, ocupando o terceiro lugar atrás apenas de Minas Gerais e do Rio Grande do Sul. A chancela atesta a autenticidade da produção e ajuda a impulsionar o turismo além de reconhecer o trabalho dos produtores da região. 

O Relações Públicas da Associação dos Amigos da Erva-Mate de São Mateus do Sul (IG-Mathe), Haroldo Mildemberg, explica que essa indicação atribui certa reputação, valor intrínseco e identidade própria que os distinguem dos demais produtos de igual natureza disponíveis no mercado, inclusive por ser a primeira reconhecida do país. 
Entre os motivos que levaram ao título estão a história, reconhecimento do mercado, o saber fazer (know how), genética, fatores de clima e solo e terroir da região. Tudo isso comprovado por documentação junto ao INPI.


“O desafio é tirar o chimarrão da cuia”

O projeto para o reconhecimento da região de São Mateus do Sul como território produtor de erva-mate no Brasil começou em 2014. O grande objetivo foi proteger e valorizar a cadeia produtiva da erva-mate no território. O pedido de registro da Indicação Geográfica São Matheus foi protocolado no INPI em novembro de 2015 e concedido em junho de 2017.  

Desde lá o produtor Ronaldo Toppel Filho, que cresceu vendo a família cultivar erva-mate, percebeu muitas melhorias na qualidade, conhecimento do produto e aumento da procura. Ele aposta nas boas práticas agrícolas para chegar a esse resultado. A erva-mate de São Mateus do Sul é nativa, cultivada na Mata Atlântica da floresta de araucária. Ele ressalta o apelo ecológico da produção. Hoje se consegue extrair o produto e conservar a floresta. 

Toppel também destaca o potencial que a cultura tem e que ainda é pouco explorado. A produção de folhas dele segue para a indústria e depois de beneficiada vai para exportação. Ele observa que o mercado externo vem crescendo e ainda há muito a expandir lá fora e dentro do Brasil. “Mesmo que o número de apreciadores da bebida esteja crescendo  o nosso desafio é tirar o chimarrão da cuia e levar também para os derivados como perfumaria, gastronomia, chás. Grande parte do mundo não conhece a erva-mate então o potencial de desenvolvimento é enorme”, completa.

AutorEMATER - RS & Eliza Maliszewski 
FonteAgrolink 
Postagem | Guilherme R. Bezzarro