We need to open markets for soybean meal, says Abiove

O Brasil precisa reduzir suas exportações de soja em grão e aumentar as vendas de farelo e óleo de soja como forma de agregar valor à produção agrícola e estimular as indústrias do setor, alertou o representante da Cargill Brasil e presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais, Andre Nassar, em audiência pública promovida, nesta quarta-feira (30), pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), informa rede oficial do “Senado”. 

De acordo com Nassar, em 1981, do total das exportações de soja e derivados, 87% correspondia a farelo de soja, produto de maior valor agregado, e o restante, 13%, soja em grão. Já em 2017, explicou ele, a situação se inverteu, correspondendo as exportações de soja em grão a 81% do total vendido ao exterior.

— Claro que tem a parte da carne e que consumiu o farelo. Mas claramente a gente precisa abrir mercado para o farelo também para a gente poder estimular as nossas indústrias. Temos hoje capacidade de aumentar em 10 milhões de toneladas o esmagamento de soja para a produção de farelo — disse.

Nassar destacou que a China, atualmente o maior importador do cereal brasileiro, compra predominantemente soja em grão.

A gerente de Soluções da Unidade de Comercio Exterior do Banco do Brasil, Alessandra Aranda, apresentou os produtos e serviços que o banco disponibiliza na área de comércio exterior para a soja e derivados. O chefe do Departamento do Complexo Agroalimentar e de Biocombustíveis do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Mauro Arnaud de Queiroz Mattoso, falou sobre a importância para o país do financiamento público para o setor do agronegócio. Segundo ele, 21% do produto interno bruto (PIB) brasileiro é originado da produção agrícola.

Participou também do debate o gerente do Departamento de Agronegócios e Alimentos da Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep), André do Nascimento Fernandes.

Acordos Bilaterais

Em uma segunda mesa, representantes de órgãos do governo federal analisaram os acordos bilaterais que o Brasil celebrou recentemente com diversos países e blocos comerciais.

Diretora de Comércio e Negociações Comerciais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Ana Lúcia Gomes falou do acordo de comércio entre o Mercosul e a União Europeia, que foi anunciado no final de junho. Segundo ela, no acordo a União Europeia deverá liberar 82% do comércio de produtos agrícolas em até dez anos, com excelentes benefícios para o Brasil na negociação de produtos como frutas, café torrado e café solúvel, sugarethanol, dentre outras mercadorias.

A coordenadora-geral de Negociações Comerciais Extrarregionais do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Paula Aguiar Barboza, ressaltou a importância dos acordos comerciais bilaterais para o Brasil. Conforme explicou, na década de 90 havia apenas 70 acordos bilaterais que respondiam por menos de 30% do fluxo comercial internacional. No final de 2010, já eram 400 acordos comerciais que já davam conta de mais de 60% dos fluxos comerciais internacionais.

— O governo brasileiro diante desses números viu claramente que nós não íamos alterar a nossa participação na Organização Mundial do Comércio [OMC]. Nós mantínhamos a prioridade da OMC como ainda mantemos. Mas teríamos que entrar nesse mundo e aumentar a nossa rede de acordos bilaterais — disse.

Source: DATA
Facebook
twitter
LinkedIn

Aboissa supports

Stay up to date with news
and the best opportunities in
agribusiness – sign up now!

Asia

Saudi Arabia

Bangladesh

China

singapore

South Korea

United Arab Emirates

Philippines

India

Indonesia

Iraq

Jordan

Lebanon

Malaysia

Oman

qatar

Türkiye

Vietnam

Hong Kong

America

Argentina

Bolivia

Brazil

Canada

Chile

Colombia

Ecuador

U.S

Guatemala

british virgin islands

Mexico

Nicaragua

Panama

Paraguay

Peru

Uruguay

Suriname

Venezuela

Dominican Republic

Costa Rica

Africa

South Africa

Algeria

Cameroon

Costa do Marfim

Egypt

Liberia

Morocco

Sierra Leone

Sudan

Kenya

Tunisia

Mauricio Islands

Europe

Albania

Germany

Belgium

Bulgaria

Spain

Finland

France

England

Italy

Lithuania

Poland

Portugal

Russia

Türkiye

Serbia

Sweden

Switzerland

Ukraine

Cyprus

Estonia

Ireland

Romania

Oceania

Australia

New Zealand

Request a quote!

Fill out the form and get support for your business needs.
Our experts are ready to offer customized solutions.

*We are currently not working with intermediaries.

By providing my data, I agree with the Privacy Policy.