Entenda como o índice global de alimentos influencia a conta do supermercado



Imagem: Adobe Stock


Mensalmente a FAO divulga o Índice de Preços, que traz a oscilações das principais commodities agrícolas; variação nem sempre é sentida pelos consumidores finais.

Desde que atingiu uma máxima histórica em março de 2022, com o início da guerra na Ucrânia, o Índice de Preços da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, vem caindo mês após mês.

{module Form RD}

No entanto, os consumidores não necessariamente sentem a queda chegar na prateleira dos supermercados. Para entender a correlação e aparente falta de repasse da redução ao consumidor, a ONU News conversou com especialistas no Chile e no Brasil.

Commodities e produtos

O representante regional da FAO para América Latina e Caribe, Mario Lubetkin, destacou à ONU News, de Santiago do Chile, que é importante notar que os valores divulgados se referem ao produto bruto, geralmente comercializado em larga escala e que são apenas um fator da composição de preço da cadeia de alimentos.

“A primeira coisa a saber todo os fatores que influenciam os preços. Na lógica de oferta e demanda de produtos alimentares. Hoje, tem uma combinação de três fatores que não parecer ter relação com o preço […], são as mudanças climáticas que realmente estão começando pesar muito fortemente na área agrícola e a guerra em Ucrânia.”

Ele adiciona que fatores como energia e combustível contribuem na flutuação do preço. Além disso, questões climáticas e geopolíticas também vêm ditando as alterações nos valores dos produtos.

No entanto, na região da América Latina e Caribe, a questão dos insumos agrícolas com a guerra na Ucrânia também afeta diretamente no preço dos produtos alimentares. Isso porque, a região possui uma forte dependência da importação russa.

“Você sabe que América Latina e Caribe é uma região dependente de fertilizantes. Quase 85% dos fertilizantes que se usa na região são importados. E se você avalia de onde vêm, 18% são da Rússia, principalmente os nitrogenados. […] Ou seja, são números fortes para entender que quando o preço sai e quando o produto sai de onde se produz até chegar à América Latina, você compreende que tem muitos fatores externos que hoje tem uma relação forte”.´

Grãos e consumo humano

Já o analista de Commodities Agrícolas, Geraldo Isoldi, contou à ONU News, de São Paulo, que boa parte das chamadas commodities são mercadorias que ainda não receberam o tratamento necessário para consumo humano.

Ele adiciona que alguns grãos, como soja e milho, são comercializados para ração animal e não chegam aos pontos de venda comuns ao público, mas influenciam o preço das proteínas.

“Se você tem uma mudança muito brusca nos preços do trigo, por exemplo, obviamente vai ter um impacto direto no preço da maioria dos alimentos nos supermercados. Se você tem uma mudança muito brusca de preços no milho, isso vai interferir no preço da proteína animal. Então, você já tem aí só nesses dois aí o impacto tanto aí na parte de carboidrato quanto na parte de proteínas. As carnes têm um impacto mais direto, uma oscilação nos preços da arroba do boi, por exemplo, terá um impacto mais direto no preço da carne que é vendida no supermercado”

Dessa forma, a cada passo da cadeia alimentar, os alimentos vão sendo beneficiados e subindo de preço. Ao chegar nos pontos de venda, eles refletem não só o índice de preços, mas todas as demais complexidades do processo entre a fazenda e o prato das pessoas.


Tendências

Sobre as tendências, Mario Lubetkin afirma que uma série de fatores devem ser levados em consideração para montar um cenário futuro, inclusive aspectos do mercado interno de cada país, como inflação e a desvalorização das moedas.

Globalmente, ele avalia que a continuação da Iniciativa do Mar Negro é chave para evitar um novo aumento forte nos preços. No entanto, com um momento instável, o representante da FAO na América Latina e Caribe afirma que os países da região vêm buscando se preparar para a crise global de alimentos.


Obesidade e fome

Ele observa que, segundo os estudos da agência da ONU, a região tem o maior custo em alimentação saudável do mundo. Para conseguir uma boa dieta, latino-americanos e caribenhos gastam cerca de US$ 3,89 por pessoa por dia, enquanto a média mundial é de US$ 3,54.

O representante da FAO ressaltou que a questão global com a crise dos alimentos, a região pode ter até 56 milhões de pessoas em situação de fome.

Além disso, ele destaca que a dificuldade de acesso a bons alimentos, tem feito a população latino-americana enfrentar outro problema: a obesidade.

Segundo Mário Lubetkin, 24% dos latino-americanos estão acima do peso, sendo 7,5% crianças.

Fonte: Datagro

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.