EUA lançam força no Mar Vermelho, navios mudam rota para evitar ataques

EUA lançam força no Mar Vermelho, navios mudam rota para evitar ataques
Imagem: Pixabay

O secretário de Defesa norte-americano, Lloyd Austin, disse nesta terça-feira que os Estados Unidos estavam liderando uma operação multinacional para proteger o comércio no Mar Vermelho, enquanto os ataques dos militantes do grupo Houthi do Iêmen, apoiados pelo Irã, forçavam mais empresas de navegação importantes a mudar de rota.

Os houthis intensificaram os ataques com mísseis e drones que iniciaram no mês passado contra embarcações internacionais que navegam pelo Mar Vermelho, em resposta ao ataque de Israel à Faixa de Gaza.

Os ataques desta semana, contudo, forçaram a grande petrolífera BP e uma série de empresas de frete, incluindo a Maersk, a desviar as remessas normalmente feitas através do Canal de Suez para em torno do Cabo da Boa Esperança, acrescentando dias ao tempo de viagem e incorrendo em custos mais altos.

A guerra de 10 semanas entre Israel e o Hamas, anteriormente, que controla Gaza, envolveu os Estados Unidos e aliados, certamente, apoiando Israel. O Irã e suas forças árabes, entretanto, apoiaram o Hamas, aumentando o risco de um conflito regional.

Austin está em viagem ao Barein, sede da Marinha dos EUA no Oriente Médio. Ele revelou que Reino Unido, Barein, Canadá, França, Itália, Holanda, Noruega, Seychelles e Espanha participam da operação de segurança no Mar Vermelho.

O grupo realizará patrulhas conjuntas, assim, no sul do Mar Vermelho e no Golfo de Aden.

“Esse é um desafio internacional que exige ação coletiva”, disse Austin em um comunicado.

Em uma reunião virtual com ministros de mais de 40 nações, Austin pediu a contribuição de outros países, eventualmente, ao condenar as “ações imprudentes dos houthis”.

Empresas de transporte marítimo adotam medidas diante da crise nos EUA

O anúncio de Austin levanta várias perguntas. Não se sabe quantos países estão dispostos a seguir a ação dos navios de guerra dos EUA. Recentemente, eles abateram mísseis e drones houthis, além de socorrer navios comerciais sob ataque.

Mais tarde, a França disse que se juntaria ao esforço para impedir os ataques dos houthis.

As empresas de transporte marítimo continuaram a mudar rota na terça-feira, apesar do anúncio de Austin. A empresa dinamarquesa Maersk, que suspendeu o transporte marítimo no Mar Vermelho, disse que seus navios navegariam pela África até segunda ordem.

“Acreditamos que uma solução para o Canal de Suez e os trajetos pelo Mar Vermelho e Golfo de Aden será implementada em breve. No entanto, atualmente, é difícil precisar quando isso ocorrerá”, declarou em comunicado.

Fontes do setor destacaram que o impacto no comércio global dependerá da duração da crise. Mencionaram que prêmios de seguro e rotas mais longas serão encargos imediatos.

Fonte: Phil Stewart | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.