Eubióticos: conheça o uso de aditivos alternativos na suinocultura



Imagem: Pixabay


Utilizados como alternativas aos antimicrobianos, óleos essenciais, probióticos, prebióticos e ácidos orgânicos atuam na melhora do sistema imunológico e na saúde intestinal dos animais.

Para promover a saúde única e integrada entre meio ambiente, seres humanos e animais, a cadeia produtiva de proteína animal mundial tem buscado contribuir por meio de ações promovidas por diversos profissionais das mais diferentes áreas, para amenizar o risco apresentado pela resistência antimicrobiana (RAM), que é a capacidade de um microrganismo de resistir aos efeitos de um medicamento, que se torna ineficaz, fazendo com que as infecções persistam. Como resultado, a RAM representa uma ameaça crescente à saúde pública mundial e requer ação de todos os setores do governo e da sociedade.

{module Form RD}

Conforme explicado pela Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) anteriormente, o estudo da resistência bacteriana é complexo. Infecções causadas por bactérias frequentemente são tratadas com terapia antimicrobiana inadequada, aumentando a chance de fracasso no tratamento e a mortalidade dos animais. Na produção animal a ocorrência de genes de resistência aos antimicrobianos no ambiente agropecuário pode estar relacionada ao uso inadequado de antimicrobianos, por isso, diferentes abordagens nutricionais podem minimizar a dependência da utilização de antimicrobianos, como o uso de eubióticos, aditivos alimentares que desempenham um papel chave na saúde animal, promovendo uma microflora equilibrada, melhora no trato gastrointestinal, status sanitário e desempenho. Dentre os eubióticos destaca-se os óleos essenciais, probióticos, prebióticos e blends de ácidos orgânicos.

Óleos essenciais

Óleos essenciais são compostos bioativos naturais derivados de plantas. Na saúde animal eles têm sido aliados na alimentação e nutrição, agregando efeitos antimicrobianos, anti inflamatórios, antioxidantes e imunomoduladores à ração. São utilizados principalmente os óleos que possuem carvacrol, timol, cinamaldeído, citral e eugenol em sua composição, como os óleos de canela, cravo, louro, citronela, manjericão, orégano, tomilho, rosas, verbena, manjerona, capim-limão, cidreira e jasmim. Esses componentes podem ser eficazes no aumento da digestibilidade e imunidade, e promovem a saúde intestinal ao minimizar o efeito das bactérias infecciosas e controlar o odor e a emissão de amônia. Além disso, estudos in vitro indicam que óleos essenciais aumentam o grupo de “bactérias boas” e diminuem “bactérias ruins” em leitões.

Probióticos

Assim como os humanos, os animais também se beneficiam do uso de probióticos, “bactérias boas” capazes de colonizar e modular a microbiota intestinal sem causar danos, melhorando seu funcionamento. Na saúde humana pensamos logo nas marcas mais famosas de leite fermentado, ou até mesmo no kefir e kombucha que ganharam muitos adeptos nos últimos anos. Já na saúde animal as mais importantes são os Lactobacillus, Bifidobacterium e Enterococcus, pois trazem benefícios para leitões lactentes e também no período pós-desmame, enquanto os Bacillus subtilis apresentam resultados mais efetivos na colonização intestinal dos animais nas fases subsequentes.

Prebióticos

Prebióticos são oligossacarídeos (carboidratos) não digeríveis que estimulam o crescimento e/ou a atividade de “bactérias boas” no intestino, modulam a resposta imune e promovem a adsorção de algumas micotoxinas (substâncias tóxicas produzidas por fungos). Seu uso na suinocultura se dá em dietas reprodutivas, de creche e terminação, sendo as leveduras e seus componentes os principais representantes desta categoria.

Blends de ácidos orgânicos

Os blends de ácidos orgânicos têm a capacidade de acidificar o meio e reduzir o pH gástrico, refletindo no aumento da atividade enzimática proteolítica e melhora na digestibilidade dos nutrientes, sendo usados também para modular a flora intestinal do plantel reprodutivo, reduzir a excreção de agentes patogênicos pelas matrizes e consequentemente a contaminação dos leitões, além de minimizar a ocorrência de infecções genitais e urinárias em matrizes, melhorar desempenho de animais de creche, minimizar a ocorrência de problemas intestinais na terminação, e no controle e prevenção das infecções bacterianas.

Fonte: Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.