Exportação de algodão do Brasil deve ser recorde para setembro

Exportação de algodão do Brasil deve ser recorde para setembro
Imagem: Pixabay

O Brasil está previsto para ter a maior exportação de algodão em setembro, com 200 mil toneladas. Isso indica um possível recorde de embarques para 2023/24. A safra recém-colhida é fundamental para essa tendência, podendo posicionar o país como o principal exportador global de algodão nesta safra.

A avaliação é do presidente da Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea), Miguel Faus. Em entrevista à Reuters, ele expressou confiança. Ele afirmou que o Brasil poderá exportar cerca de 2,5 milhões de toneladas do produto. Isso deve ocorrer entre julho de 2023 e junho de 2024.

Isso representaria um crescimento significativo, com mais de 1 milhão de toneladas adicionadas em comparação ao total de 1,396 milhão de toneladas de 2022/23. Nesse ano, o Brasil enfrentou desafios em importantes mercados compradores, como Turquia, Paquistão e Bangladesh.

Se o recorde for confirmado, o Brasil pode superar os Estados Unidos como o maior exportador global. Essa possibilidade ganhou força recentemente.

Brasil pode superar os EUA como maior exportador de algodão no médio prazo, impulsionado pela produção e disponibilidade de áreas

“Neste momento, o Brasil passou (os Estados Unidos) como terceiro maior produtor”, disse Faus, citando dados do USDA. Esses dados apontam que a colheita 23/24 norte-americana (recém-iniciada) em 13,13 milhões de fardos, enquanto a do Brasil está em 13,8 milhões de fardos.

“E é possível que no ciclo o Brasil passe os EUA em exportação em função da quebra na safra deles, é possível. Mas não podemos esquecer que essa liderança agora seria devido à quebra na produção.”

Pelo último levantamento do USDA, divulgado neste mês, os EUA ainda aparecem à frente do Brasil, com previsão de exportação de 12,3 milhões de fardos.

No médio prazo, de três a cinco anos, espera-se que o Brasil se consolide como o terceiro maior produtor, atrás da China e da Índia, e ganhe definitivamente a posição de exportador número 1 dos EUA. Faus disse isso, salientando o impulso das maiores produtividades brasileiras e a disponibilidade de áreas.

Produtores relataram à Reuters anteriormente que a liderança do Brasil na exportação poderia ter acontecido no ano calendário de 2023, mas os embarques brasileiros no primeiro semestre foram mais fracos do que o esperado.

Setembro forte

Os números de setembro dão o tom da recuperação prevista. Os embarques brasileiros devem ficar próximos de 200 mil toneladas da pluma, praticamente dobrando em relação ao volume de agosto e crescendo ante os 184,8 mil toneladas do mesmo mês de 2022.

“Se não chegar nas 200 mil toneladas, talvez esteja perto disso… Pode ser recorde histórico para setembro”, disse Faus, após o Brasil ter embarcado no acumulado do mês até a semana passada 154 mil toneladas de algodão, conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Com uma média diária de embarques de mais de 10 mil toneladas, segundo a Secex, setembro poderia registrar também o maior nível mensal de 2023.

“Com o avanço do beneficiamento (da pluma), uma safra de produtividade muito alta, a gente acredita que bater o recorde de exportação (em 23/24) seria factível”, disse o presidente da Anea, lembrando que o Brasil produziu mais de 3 milhões de toneladas da pluma na colheita encerrada recentemente.

Brasil prevê um aumento nas exportações de algodão nos próximos meses

O recorde anterior de exportações do país foi em 2020/21, com 2,41 milhões de toneladas, conforme dados da associação.

Faus citou que no primeiro semestre o Brasil lidou com os impactos do terremoto na Turquia para a demanda da pluma, assim como com dificuldades financeiras em outros importantes importadores como Paquistão e Bangladesh, que tiveram dificuldades com cartas de crédito, documento fundamental para a exportação.

Mas a China, maior importador, está voltando ao mercado, o que deve se manter pelos próximos dez meses, ajudando a impulsionar os embarque brasileiros, disse ele.

“Nos próximos meses, outubro, novembro dezembro, o Brasil deve superar as 200 mil toneladas por mês”, ressaltou.

Segundo ele, o algodão brasileiro está bem competitivo em termos de preços e qualidade. “O preço oferecido é um pouco abaixo do preço dos Estados Unidos, em função da nossa grande safra”, disse, lembrando que outro trunfo da pluma nacional é sua rastreabilidade, fator chave para atender critérios de certificadoras de sustentabilidade.

Em agosto, o Brasil realizou o primeiro embarque de algodão ao Egito, após a abertura do mercado. “Ainda um volume pequeno, de 1.500 toneladas, mas é importante pelo fato de o algodão egípcio ser reconhecido como de qualidade.”

Fonte: Roberto Samora | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.