Exportações brasileiras somam US$ 30 BI em junho



Imagem: Adobe Stock


Em junho de 2023, as exportações brasileiras somaram US$ 30,094 bilhões, com redução de 8,1% em relação ao mesmo mês do ano anterior. A queda foi causada exclusivamente pela diminuição de 15,2% nos preços dos produtos, já que o volume exportado aumentou 6,7%. Os dados foram apresentados nesta segunda-feira (3), durante coletiva de imprensa online.

De acordo com a análise da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do MDIC, o nível das exportações brasileiras continua elevado e apresenta o segundo maior valor para meses de junho, atrás somente de junho do ano passado. As importações do mês atingiram o valor de US$ 19,502 bilhões, redução de 18,2% – efeito preponderante da queda de 17,7% nos preços das compras do exterior já que o volume importado foi 3,3% menor. Com isso, a balança comercial de junho teve saldo positivo recorde de US$ 10,592 bi.

{module Form RD}

No período, a corrente de comércio foi de US$ 49,595 bilhões. Assim, nos seis primeiros meses do ano, as exportações totalizaram US$ 166,153 bilhões e as importações, US$ 120,639 bilhões, com saldo positivo de US$ 45,514 bilhões e corrente de comércio de US$ 286,792 bilhões. A exportação e o saldo comercial do primeiro semestre são recordes históricos.

Previsão para 2023

A Secretaria também divulgou a segunda previsão para os resultados da Balança Comercial de 2023. A nova estimativa aponta para um saldo comercial recorde de US$ 85 bilhões. A exportação para o ano é esperada em US$ 330 bilhões, o que ainda representa leve redução de 1,2% em relação ao resultado de 2022, mas a nova expectativa é cerca de US$ 6 bilhões acima da primeira previsão. A segunda previsão para a importação é de US$ 245 bilhões, valor também acima ao da primeira previsão em US$ 5 bilhões, mas ainda com uma queda esperada de 10% em relação ao resultado de 2022.

Segundo o Diretor de Planejamento e Inteligência Comercial, Herlon Brandão, a melhora do resultado da segunda previsão em relação à primeira é reflexo de um primeiro semestre acima do esperado com um bom desempenho do volume embarcado e de uma menor queda das importações. Tanto as expectativas para a economia brasileira quanto a mundial melhoraram ao longo do primeiro semestre. Entretanto, o nível de incerteza quanto ao desempenho da economia mundial continua elevado. A continuidade do crescimento das taxas de juros nos países desenvolvidos e um crescimento lento da China se constituem em desafios para o comércio internacional.

Exportações do mês

No mês, as vendas externas dos setores pela média diária foi o seguinte: crescimento de US$ 19,63 milhões (5,3%) em agropecuária; queda de US$ 66,91 milhões (-19%) em indústria extrativa e queda de US$ 82,89 milhões (-10%) em produtos da indústria de transformação. A combinação destes resultados levou a uma diminuição das exportações.

Importações do mês

Nas compras externas, no último mês, o desempenho dos setores pela média diária foi o seguinte: queda de US$ 12,04 milhões (-45,0%) em agropecuária; diminuição de US$ 53,41 milhões (-48,0%) em indústria extrativa e queda de US$ 138,92 milhões (-14,1%) em produtos da indústria de transformação. A combinação destes resultados levou a uma diminuição das importações.

Acumulado do ano

Nas exportações, se comparadas às médias de janeiro a junho (US$ 1,339 bilhão) com a média do mesmo período do ano passado (US$ 1,323 bilhão) houve crescimento de 1,3%. Em relação às importações, houve queda de 7,1% no mesmo comparativo (US$ 972,89 milhões/ US$ 1,046 bilhão). Por fim, a média diária da corrente de comércio totalizou US$ 2,312 bilhões e apresentou queda de 2,4% na comparação entre estes períodos.

Fonte: Datagro

{module Leia Também}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.