Extinção do adicional frete para renovação da Marinha Mercante favorecerá navegação no Brasil, diz CNA

O Grupo de Trabalho Econômico e a Comissão Nacional de Logística e Infraestrutura da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniram, nesta terça-feira (13), para discutir uma proposta de extinção da cobrança do Adicional do Frete para a Renovação da Marinha Mercante (AFRMM).

A proposta do Ministério da Economia é reduzir, gradualmente, a alíquota do AFRMM na importação até a plena extinção após cinco anos, com diferenciação para navegação de longo curso, navegação de cabotagem e navegação fluvial e lacustre. A medida produzirá efeitos positivos no setor de navegação, como a redução do custo marítimo e da burocracia, o aumento de competitividade e a melhoria operacional no sistema portuário.

Segundo estimativas do órgão, apenas no ano passado, a arrecadação em adubos, fertilizantes, sal, farinha de trigo, grãos de cereais e demais produtos resultou na arrecadação de R$ 4,2 bilhões. Nos casos das regiões Norte e Nordeste, o recolhimento do AFRMM está suspenso até 2022.

“Temos que fomentar a navegação de cabotagem e nos rios, pois a produção continuará crescendo e precisaremos de mais embarcações para o escoamento, mas a cobrança do AFRMM pesa muito na produção”, afirmou o presidente da Comissão Nacional de Infraestrutura e Logística da CNA, Mário Borba.

Continua depois do formulário
{module 442}

Conforme a coordenadora de assuntos estratégicos da CNA, Elisangela Pereira Lopes, entre 2013 e 2020 foram investidos R$ 2,2 bilhões na construção de 500 barcaças e outros equipamentos destinados à navegação interior, sendo 80% custeado do Fundo da Marinha Mercante (FMM). Nesse período de sete anos, os recursos dispendidos corresponderam pouco menos da metade do arrecadado pelo AFRMM, em 2019.

O subsecretário de Política Fiscal do Ministério da Economia, Erik Figueiredo, considera o AFRMM um mecanismo complexo, que encarece as importações e o frete dentro do Brasil, além de desestimular a navegação como meio de escoar a produção.

De acordo com ele, a pasta já conseguiu demonstrar as razões econômicas para a retirada do imposto, seja por meio de contrapartida ou de renúncia fiscal. Agora, a decisão final depende de uma posição política.

“Um estudo da CNA mostra o impacto e o encarecimento na produção agrícola com o AFRMM. A partir disso, conseguimos mostrar que a redução ou a extinção da cobrança poderá reduzir o custo da cesta básica em quase 5%”, declarou.

“Somos favoráveis à redução gradual da cobrança, sobretudo de fertilizantes, pois isso reduzirá o custo do produtor. É uma demanda antiga da CNA para que a gente possa diminuir o custo-Brasil e desburocratizar a legislação”, disse o coordenador do Núcleo Econômico da CNA, Renato Conchon.

A Confederação também apontou que, de janeiro de 2018 a junho de 2020, o Governo Federal arrecadou R$ 9 bilhões com o AFRMM, porém apenas R$ 2,1 bilhões foram aplicados, nem sempre para o fomento da navegação ou cabotagem.

Na opinião de Renato Conchon, os setores produtivos estão pagando o fundo, mas o montante utilizado para o fomento da navegação e a construção de barcaças, por exemplo, está muito aquém do volume de recursos arrecadados. No dia 22 de setembro de 2020, as “disponibilidades” da AFRMM eram de mais de R$ 7 bilhões.

Outro tema tratado no encontro foi a Portaria ME nº 329/20, que publica a listagem completa dos atos normativos inferiores a decretos vigentes e aprova o plano de atendimento ao Decreto nº 10.139/2019, no âmbito do Ministério da Economia.

A reunião também contou com a participação do vice-presidente da CNA e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Espírito Santo (Faes), Júlio Rocha, e da advogada da Assessoria Jurídica da CNA, Viviane Faulhaber.

Fonte: DATAGRO

LEIA TAMBÉM:
{module 441}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.